Total de visualizações de página

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS (04)




- Belo desenho Dudu! Faz parte de um dos tantos livro do Machado de Assis que você ilustrou, não é?
- Isso.

- Você parece desanimado, distante!
- É, um pouco, sim.

- O que te animaria? Melhor, suponha que um gênio da lâmpada te concedesse três desejos, o que você pediria?
- Bem, deixe-me pensar....sei lá, a cura do câncer, a paz mundial...

- Não, isso não! Eu digo três desejos para você, nada pra família, amigos ou coisa do tipo, seria pra você especificamente.
- Bem, queria ter boa saúde para fazer meu trabalho até o fim dos meus dias.

- Cê tá doente?!?
- Não! Pelo menos eu acho que não. Pensei nisto porque noto que a medida que a idade chega a gente vai perdendo a visão, as energias. Soube que o Watson Portela, um dos maiores quadrinistas brasileiros contraiu uma hérnia de disco por causa dos anos que passou sentado na prancheta, ele não poderá mais se dedicar ao trabalho como no passado.

- Sei. E o segundo pedido?
- Que meus quadrinhos fizessem sucesso, rompessem barreiras e isso se revertesse em grana pra eu poder ter mais tempo de investir em meus projetos. Queria muito que meu trabalho fosse melhor remunerado. Tô cansado de trabalhar duro por migalhas.

- Acha que lhe pagam pouco?
- Pouquíssimo! Mas entendo que a maioria dos meu empregadores não fazem isso de sacanagem, eles também lutam duro para manter suas editoras. É que a coisa é complicada mesmo, o problema na base tem a ver com educação e má gerencia do país.

- Terceiro e último pedido.
- Queria estar perto de minha mãe, irmãos e filha.

- Entendo.
- Sorte que Deus colocou a Verônica do meu lado.

- Também acho. Bem, foi legal falar com você, Dudu. A gente se vê por aí.
- Tranquilo. Vai pela sombra.







4 comentários:

  1. Oi, Schloesser! Andei pensando na questão da remuneração e acho que você acertou em cheio. As editoras também passam por apertos. Nosso povo lê pouco e o custo de manter uma empresa aqui é elevadíssimo. O jeito é cuidar do que podemos: saúde, por exemplo. Se cuide porque problemas de saúde aperreiam mesmo quando não são graves. Disso, eu entendo. Estou bem aperreada porque, neste exato momento, estou com caxumba. Vê se pode? :) Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caxumba?! Poxa, que chato, Carla! A Vera ontem me falou que o jogador Neymar também contraiu a dita cuja.
      Tome todos os cuidados necessários, repouso absoluto! Melhoras pra você.

      Grande abraço!

      Excluir
  2. Olá! Realmente, não importa se nossas histórias (ou pin-ups, o que mais for) acabam publicadas por editores ou por nosso próprio orçamento... o público é relativo, assim como o retorno.
    Tirando aqueles papos de calote e desprezo que já devo ter contado... já aconteceu comigo, recentemente, da minha prima (fã de Monster High) me pedir pra desenhar uma foto dela (via In box). Mas tive que recusar, explicando que os pais dela e minha minha poderiam brigar comigo por ter cobrado dela, quando na verdade, foi ela que quis me pagar e... se chegasse na hora, me forçariam a entregar de graça. Complicado, né? Ainda mais numa família em que poucos valorizam nossos dotes artísticos, mas ressaltam sua "pão-dureza".

    Tirando isso, no fim de semana passado, fui convidado pra ser colunista de um site. Vou postar links quando estiver no ar e só espero que não tenha frescuras com meus textos. Só posso dizer que, escolhi falar sobre cinema.

    E sim, gostei do Cidade do Medo. Percebi a evolução de seu traço e o final, me lembrou o final do De Volta ao Planeta dos Macacos, sobre o super bomba.
    Pervertido, por quê?!
    Tá certo que é uma hq adulta, mas eu já vi e li coisas muito mais... medonhas/piradas, vindas do Japão ou não (rimou!).

    Até...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mano, deixa eu te falar, esse negócio de criar artes para familiares, amigos e cobrar ou não cobrar é um negócio delicado, já me vi em muitos apuros, por assim dizer, em relação a isto - não que minha família tenha interferido, nunca fizeram - mas teve conhecidos pedindo para eu fazer retratos de namoradas e nem falaram em pagamento, só porque eu desenhava minhas coisas por prazer, pra eles é só diversão, não trabalho.
      Meus irmão me ajudam muito, é a eles que devo muito do material de hqs que consumo atualmente, fora que me emprestam dinheiro que raramente consigo ressarcir, mas quando me pedem uma arte, não quero cobrar mas eles insistem em pagar, aí sabe como fica, né? Aceito porque estou precisando mas é uma coisa estranha.

      Vou querer acompanhar sua coluna no site. Passa o link quando puder.

      Que bom que você curtiu o Zé gatão. Bem, se compararmos o CIDADE DO MEDO, com algumas outras coisas, até que ele não é assim tão pervertido como já classificaram. Certa vez eu dei uma conferida num álbum espanhol chamado ANARCOMA de um artista chamado Nazário e achei de muito mal gosto as cenas de sexo com travestis e mutilações. Argh!

      Abração.

      Excluir