Total de visualizações de página

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

AMOR E DOR ( Um conto de Luca Fiuza sobre o UNIVERSO ANTROPOMORFO criado por Eduardo Schloesser)


AMOR E DOR

Seis meses haviam transcorrido e a vida de Zé Gatão seguia normal, sem sobressaltos. Era da casa para o trabalho e do trabalho para casa. O felino, no entanto, se mantinha alerta. A calmaria aparente poderia se converter a qualquer momento em uma tempestade mortal.
        Meio-dia. O felino cinzento almoçava em seu canto. Mastigava sem vontade. Na verdade, não sentia fome. Notou um jovem contínuo, um camundongo simpático, aproximar-se. Trazia um envelope. Ao recebê-lo, o felino macambúzio notou o perfume delicado que exalava do singelo envelope cor de rosa. Zé Gatão agradeceu ao jovem roedor que se retirou sorrindo um pouco, decerto pensando alguma bobagem. Abriu o envelope e tirou dele uma carta escrita com esmero. As letras pareciam desenhos artísticos. Leu com atenção as seguintes palavras:

 Meu querido,
Custei a encontrá-lo. Tenho observado você de longe. Sei onde mora, onde trabalha e a que horas entra no serviço...o momento exato em que volta para casa. Você é uma criatura excepcional! Apesar de meus cuidados,vejo que mesmo não tendo me visto ou ouvido você se porta como se sentisse estar sendo observado! Temos que terminar aquele nosso assunto. Encontre-se comigo no parque esta madrugada. Estarei à sua espera.
Com amor, sua tigresa fatal.

Zé Gatão não conseguiu decifrar o que havia por trás daquelas palavras. Estaria a felina selvagem gracejando? Brincando com seus sentimentos, talvez? O coração do gato batia descompassado. Em sua mente havia medo de seus próprios sentimentos e dúvidas atrozes Não sentia raiva. Apesar de tudo, nunca sentira. Iria ao encontro guiado por um desejo desenfreado que nem ele compreendia.
Três horas da madrugada. Uma lua pálida iluminava o céu estrelado. Alguns postes de luz lançavam uma luz amarelenta sobre bancos quebrados, mal destacando o piso de pedra desgastada que cobria o parque em quase toda a sua totalidade. Estava quente. Zé Gatão usava uma camiseta vermelha. Calça preta e botas de cano curto marrons completavam sua indumentária.
De repente, ela surgiu das sombras. Bela, altiva. Camiseta preta e curta sem mangas, revelando o ventre firme e musculoso. Calça estilo militar de um azul escuro. Na cabeça uma faixa vermelha cingia os cabelos fartos amarelos e entremeados de listras negras. Calçava um par de botas pretas pesadas. Aproximou-se lenta, como se estivesse se acercando da presa. Zé Gatão ficou imóvel à espera. A felina parou diante do grande gato e disse numa voz cristalina:
- Estou desarmada. Antes de qualquer coisa, temos que falar. – Sentaram-se em um dos bancos.
- Estou ouvindo. – Respondeu lacônico, o felino taciturno. – Ela prosseguiu:
- Fiz parte de um comando das Forças especiais da Marinha. Realizava missões secretas e não oficiais para o Governo. Em certa missão a mando de meus superiores, assassinei um governante de um país inimigo. A coisa toda foi descoberta e só eu paguei. Fui expulsa da Marinha e presa por 15 anos. Eu era muito jovem naquele tempo. Quando fui libertada não tinha perspectiva alguma. Minha vida não tinha qualquer sentido. Então conheci você.
- Por favor, me diga! Você realmente sente alguma coisa por mim? Seja sincera! Eu amo você! Por isto fui com você naquela noite e por isto estou aqui. – O rosto dela se tornou extremamente terno. Zé Gatão sentiu-se desabar.
- Eu te amo grandão! Mais do que possa imaginar!
        O felino sentiu sua alma se iluminar. Ela continuou:
- Zé...! Carrego em minha consciência o remorso pelos crimes que cometi em nome do meu país, das vidas que tirei. Sei que deixei muitas famílias sem pai! Fêmeas sem marido! Eu mereço ser punida! E ninguém melhor do que você que conquistou meu amor e adoração para finalmente redimir meu espírito!
- N-não posso fazer isto! Olha, você se arrependeu! Vamos começar uma vida nova! Só você e eu. Eu te amo, minha tigresa!
- Também te amo, Zé Gatão! Você é muito mais que eu mereço. Por isto, ou você me mata ou eu te mato! 
Subitamente, ela saltou sobre o felino cinzento tentando cingir seu pescoço em um aperto mortal. A custo, Zé Gatão evitou o golpe e derrubou-a ao solo. Em um átimo, ela se ergueu. Zé Gatão a olhava suplicante. Nos olhos dela, ele viu uma determinação pétrea, mas também um amor pungente, verdadeiro.
Lutaram ferozmente. Era a técnica de combate dela contra a luta de rua dele. Afastaram-se um do outro por alguns segundos. Ela saltou. Aproveitando a força do movimento da opositora, Zé Gatão atirou-a para trás e ela foi se chocar violentamente contra um poste próximo. Com um grito sufocado ele correu até ela. Estava seriamente ferida. A tigresa morreu nos musculosos braços de um Zé Gatão desesperado. O felino percebeu um lampejo de agradecimento nos olhos mortiços da amada. Abraçado ao cadáver, chorou como nunca em toda sua vida.



8 comentários:

  1. Esse Zé Gatão não dá sorte com as namoradas. Ainda não entendi por que essa gata maluca resolveu acabar com ele. Que tal uma continuação explicativa, Luca? Parabéns, Luca e Schloesser, pelo conto e o desenho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Carla, por suas palavras e elogios (e crítica, se é que podemos chamar assim a sua dúvida quanto ao comportamento da tigresa). Cabe ao Luca responder a essas questões. Haverá de fato alguma resposta? No mundo real muitos comportamentos insanos não tem uma explicação lógica, sei lá.
      Grande abraço.

      Excluir
  2. Caramba, que trágico! Um conto que realmente tem a cara do Gatão! Ao mesmo tempo que gostei muito do complemento ao post anterior, me dá um dó desgraçado do felino, que não dá sorte na vida... uma das coisas mais adoráveis e odiosas da vida fantástica desse personagem. Ao menos uma vez, eu gostaria de ver o Zé se dar bem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, trágico mesmo, Everton! A vida de Zé Gatão como a dos gatos que sobrevivem nas ruas não é para ser fácil, é trilha do herói e remete aos mitos gregos. Mas sabe, o Luca escreveu um final alternativo para este conto. Me passe o seu e-mail que eu envio para você.

      Obrigado pelo comentário, é sempre muito importante. Grande abraço.

      Excluir
  3. Opa, passo sim o e-mail! Agradeço a gentileza! Final alternativo é sempre interessante, faz a gente pensar.

    ResponderExcluir
  4. Acabei de degustar mais um conto maravilhoso de nosso querido Grande mestre Luca Fiuza. Que final trágico teve a guerreira felina. O coração do gato taciturno deve ter ficado em frangalhos. Mas é vida que segue. O desenho artístico no final retrata bem o drama deste episódio. Mais uma vez, parabenizo a essa fantástica dupla dinâmica. Vou continuar lendo os contos. Abração!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Professor Paulo, realmente foi um final surpreendente, não? A gente sempre espera que o bom senso, o amor, a concórdia, prevaleça, mas nas histórias de Zé Gatão, como em nossa própria realidade, nem sempre isso acontece.

      Agradeço muito comentário e elogios. Espero que os demais contos também o agradem.

      Abração.

      Excluir