Total de visualizações de página

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

BRINCANDO COM ZÉ GATÃO!

Bom dia, amadas e amados!

Esta postagem chega atrasada! Pudera, o meu fim de semana foi corrido! Devo preparar até amanhã três artes para levar um novo livro infantil para a editora. Se não entrego na terça meu pagamento fica adiado por um tempo que não poderei esperar.

Mas como este blog não pode ficar desatualizado (não quero que fique!) vamos conversar rapidamente.

Arde em mim um desejo grande de fazer mais algumas HQs com Zé Gatão, mas como podem notar não tenho tido tempo de sequer pensar a respeito. No entanto venho fazendo - quando posso - pequenas artes aproveitando sobras de papel e tinta. Ou seja, sobrou um pedaço de papel de qualidade? Eu rabisco alguma coisa; restou um pouquinho de nanquim de alguma ilustração comissionada? Pego o pincel e finalizo o papelzinho. Assim vou criando uma curta HQ só para me divertir.

Neste caso pensei numa violenta luta entre o felino e um Diabo da Tasmânia, só isso, nada mais.


Claro que ainda não acabei, mas não falta muito, não. Se juntar todos os quadrinhos separados acho que dá mais de 10 páginas de luta. Vai ser publicado um dia? Quem poderá dizer? Nem estou preocupado com isso, o objetivo aqui é não desperdiçar material e ainda me distrair um pouquinho.

Boa semana a todos!

14 comentários:

  1. MEU AMIGÃO, LUCA, ENVIOU ESTE COMENTÁRIO PARA MEU E-MAIL. REPRODUZO AQUI COM A PERMISSÃO DELE:

    "Querido velho. Bom dia. Me surpreendi deliciosamente com esta postagem! Texto leve, gostoso de ler, falando a respeito do meu querido herói felino! Olha, esta sua proposta ficou a meu ver ficou muito interessante! Uma HQ curta que agrega cenas que vão se juntando até formar uma história completa, em um estilo de desenho mais intuitivo, sem preocupação tão grande com a algo que chamarei à revelia do bom Português, de Métrica. Você sabe como amo cenas de uma boa porrada. Me encantei com estas e desejaria muito que este material se corporificasse em uma obra acabada. Puxa! Um embate entre o pequeno, mas feroz, Diabo da Tasmânia e nosso felino taciturno é algo avassalador! O Grande Gato terá problemas! Sérios problemas para conservar a pele e a vida intactas! Uau! Fiquei animado! Quem sabe um dia você poderá desenvolver e quem sabe publicar esta HQ diferenciada em sua integralidade?"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Lucão! Imaginei mesmo que você fosse gostar, afinal é uma HQ sem história, só com cenas de luta e sei como você curte isso. Foi a forma que eu encontrei de reaproveitar material, manter Zé Gatão na ativa e ainda me espraiar um pouco. Logo ela ficará pronta e entra na lista de histórias inéditas não publicadas (mas um dia serão, se Deus quiser).

      Agradeço sua mensagem, meu velho amigo. Grande abraço!

      Excluir
  2. Bom dia Eduardo. Estou muito satisfeito que você continuar a pensar no Gato Joe e apesar de um monte de trabalho. Você sabe que é o meu favorito, meu gato bonito. Então eu espero ansiosamente por suas outras histórias.Muito obrigado.Abraços é grande sesemana.Deus esteja com você

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, novas histórias e desenhos vão surgindo aos poucos, conforme meu tempo permite.

      Obrigado, minha amiga.

      Excluir
  3. Tadinho do diabo da Tasmânia, Schloesser! Eu gosto deles. Queria ver o Zé Gatão lutando contra inimigos microscópicos, tipo vírus e bactérias nocivos. Você ia ter que se virar pra justificar o agigantamento desses inimigos. Tem cada micróbio estiloso esperando pra ser antropomorfizado! Dê um pulo em www.giantmicrobes.com/us/. Vai ver que lindos! :) Sugestões e brincadeiras à parte, achei ótimo o Zé Gatão de volta à luta. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aaaargh! Cê acha os Diasbos da Tasmânia bonitinhos, Carla?!? Deve ser por causa dos Taz do Looney Tunes, né? Na verdade esses bichos são sanguinários ferozes, matam muito além da sua capacidade de devorar. Mas aqui ele não é um inimigo, não, apenas um adversário para Zé Gatão, é uma luta de ringue, bem sangrenta, é verdade, mas apenas uma luta.

      Sabe, brincadeiras à parte, sua ideia é boa se meu estilo de narrativa tivesse escambado para o fantástico (no sentido de um antropomorfo ficar em forma microscópica ou vice versa), mas quis fincá-lo com o pé na "realidade", acho até que foi ousadia demais da minha parte inserindo insetos :D.

      E, bem, infelizmente ainda não é uma volta do Zé Gatão, como eu disse, é apenas um breve passatempo. Mas estou sentindo coceiras no cérebro e nos dedos, logo devo começar uma nova aventura pra valer, se Deus quiser! Aguarde.

      Obrigado por comentar aqui e um forte abraço!

      Excluir
  4. Ficou bacana.

    Falou em sobras de materiais, me lembrou da minha infância e adolescência, quando eu reutilizava folhas usadas pra desenhar. Tipo aquelas de impressoras antigas, com um dos lados com linhas verdes. E também de provas mimeografas ou xerocadas, além daquelas de cadernos. Fazia arte-final com esferográficas, não importando a marca. Até as da Kilométrica valia.
    E quanto a caneta 4 cores da BIC? Aquelas grandonas com mais cores? Achava o máximo.
    Tenho um estojo cheio com lápis de cor, que fui acumulando com o tempo após aprender a colorizar (mas não sou tão especialista, assim) no Photoshop.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, Anderson! Rapaz, eu não sei exatamente porque, mas eu não gosto de desperdício. Não me considero um pão duro, mas até meus lápis eu uso até o toco. Lendo aquele livro EISNER/MILLER, lançado no Brasil pela Criativo, teve um momento que o Frank observou que os esboços do Will eram feitos nos versos das folhas de xerox, ao que o mestre respondeu que ele era um filho da grande depressão. No meu caso, eu não jogo nada fora, uso tudo, sobras de papel, de tela, pedaços de giz colorido, tudo que eu possa utilizar num projeto diferente. Pena que ninguém liga muito.

      Achei interessantes os materiais aproveitados por você e eu também fiz muito desenho com Bic 4 cores. Eita tempos difíceis! Mas quer saber? Hoje tá tão difícil quanto!

      Abração!

      Excluir
    2. É isso aí, guerreiro .Não tem melhor terapia pra quem desenha...abraços!!!!

      Excluir
    3. É verdade, Rita, uma senhora terapia para os momentos difíceis. Eu costumo dizer que Deus me deu a arte como uma porta por onde posso escapar da realidade.

      Obrigado e grande abraço!

      Excluir
  5. Obrigado Eduardo. Com nova história com a mais belo gato do mundo você mostra que não desistiram. Estou muito satisfeito. Muitos abraços, semana tranquila e Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, Mira, desistir de Zé Gatão, jamais! Aos poucos vou criando coisas novas.
      Forte abraço e fique bem.

      Excluir
  6. Excuse me. My comments have disappeared and now you have 2.��������

    ResponderExcluir