Total de visualizações de página

sexta-feira, 16 de maio de 2014

OS BRUZUNDANGAS ( O5 )


- A greve da PM no estado de Pernambuco ontem atrapalhou minha vida. Tinha algumas coisas pra resolver na rua, mas por conta dos criminosos (esse câncer da humanidade que não para de crescer) que se sentem a vontade pra cometer suas maldades sem a lei para coibi-los, obrigou todo mundo a fechar as portas cedo. Meu bairro ficou deserto. Apesar do sol forte a praia estava vazia. Acumulei minhas obrigações para hoje. Perdi a manhã, que é meu melhor período para a produção das minhas pobres artes, em filas. Resultado: atraso no meu cronograma mental. Serei obrigado a trabalhar de madrugada para cumprir os prazos.

- Esses dias voltei a ouvir Creedence Clearwater Revival. Fazia muito tempo que eu não curtia esses caras. Aliás, só ouço som gringo dos anos 50 a 70 (e alguma coisa dos 80, mas pouco, geralmente é material de banda que já era sucesso na era dos vinis).
O Creedence, assim como o Nazareth, tem hit que até quem não curte rock já ouviu mas não sabe de quem é e gosta. A maioria só conhece Have You Ever Seen The Rain, mas tem mais, muito mais, quase todas as músicas da banda são ótimas, dá até a impressão que os cara só fizeram música de sucesso pra tocar em rádio. Antigamente eu me incomodava com a voz rascante do John Fogerty, mas hoje sei que é uma marca registrada do grupo. Geralmente curto vocais mais ao estilo do Bowie ou do Brian Ferry, mas pro Creedence tá valendo.

- Alguém aí já viu pombo comendo merda? Pois outro dia andando macambúzio pela solitária rua vi um pombo imaculado de tão branco revolvendo um imenso cagalhão de cavalo e no processo engolia nacos generosos de bosta. Devia estar com muita fome, pensei. 
Sempre tive inclinação a me aproximar e me identificar com os perdedores, os excluídos, o inadaptáveis. Mas não me entendam errado, por excluído e perdedor me refiro àquele carinha que na escola, por não ser o mais inteligente, nem o mais bonito e descolado, não arruma namorada, esforça-se mas não passa nos concursos, geralmente leva desaforo pra casa por não ser o faixa-preta fodão como o vizinho casado com a top model. Aquele tipo quieto que impopular não consegue, por timidez ou extrema insegurança, mostrar ao mundo seus talentos. Os violentos, bêbados, drogados e toda escória do tipo eu sinto um profundo desprezo. Eu escrevia sobre rock acima, não é? Pois os músicos talentosos que se perderam para as drogas, batem em fãs, fotógrafos e namoradas são pra mim como aquele pombo, bonito e chafurdado nas fezes. Existem insetos e grãos mas ele prefere comer merda.

- E finalizando minha filosofia rasa, deixo aos meus queridos e queridas mais uma ilustra para os Bruzundangas.

- Até semana que vem, se Deus quiser.


Nenhum comentário:

Postar um comentário