Total de visualizações de página

terça-feira, 14 de julho de 2015

DO TEMPO EM QUE O OMELETE COMENTAVA TODOS OS TIPOS DE QUADRINHOS.


"ZÉ GATÃO - CRÔNICA DO TEMPO PERDIDO" publicado em 2003 pela Via Lettera Editora, fez história - não para o público com qual eu sonhava, mas para mim mesmo. Este livro, hoje esgotado (talvez seja encontrado no Mercado Livre), criou algum barulho na ocasião de seu lançamento, saiu resenhas em sites especializados, revistas, jornais (o Correio Brasiliense foi um deles) e até na tv aberta, como comprova o vídeo postado hoje, ele passou no Metropolis da TV Cultura.

Hoje, apesar dos meios de divulgação via web terem proliferado, noto certa dificuldade em fazer um produto alcançar o conhecimento da grande massa. Excesso de informações? Uma maior divisão de tribos? Multiplicação de títulos na praça? Emburrecimento do público alvo? Leitores cada vez mais viciados em mesmices? Tudo isso? Nada disso?

Não me recordo se já postei este vídeo aqui, acho que sim, mas nunca é demais rememorar. Ele não está com boa resolução, roda muito mal no meu notebook, mas dá para ter uma ideia do que foi este álbum na vida de um personagem ainda na obscuridade.

video

PS - Caso haja interesse, seguem abaixo alguns links de postagens onde conto a história do livro e alguns comentários na net, outras páginas nesse meio tempo infelizmente deixaram de existir:

http://eduardoschloesser.blogspot.com.br/2010/10/ze-gatao-cronica-do-tempo-do-perdido.html
http://eduardoschloesser.blogspot.com.br/2010/10/ze-gatao-cronica-do-tempo-do-perdido_21.html
http://eduardoschloesser.blogspot.com.br/2010/10/cronica-do-tempo-perdido-final.html
http://eduardoschloesser.blogspot.com.br/2010/10/scabesh-e-ze-gatao.html

http://omelete.uol.com.br/quadrinhos/artigo/hq-ize-gatao-cronica-do-tempo-perdidoi/
http://www.guiadosquadrinhos.com/edicao/ze-gatao-cronica-do-tempo-perdido/ze096100/63900


http://furrybrasil.com.br/forum/viewtopic.php?f=22&t=11375&start=15





4 comentários:

  1. A matéria fui sucinta. Só não relataram que teve álbuns anteriores.

    A propósito, sempre pensei em te perguntar... qual a pronúncia exata de seu sobrenome?
    O repórter disse "Schilósser".
    Eu achava que fosse tipo, "Schilêsser".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu pelo comentário, Anderson!

      A sua pergunta é boa. O correto mesmo é exatamente como você pensou, não como o editor do Omelete pronunciou.
      Ninguém acerta de cara, já ouvi pronúncias do tipo: Scloser, Scholéser, Schóler e por aí vai.

      Agora antes desse livro teve apenas o de capa branca e o Erico Borgo mencionou que a primeira publicação foi em 1997, mas ele poderia ter sido mais claro mesmo.

      Abração.

      Excluir
  2. Oi, Schloesser! No meu notebook, não consegui assistir. Vou tentar no computador do trabalho. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carla, assistir esse vídeo devidamente é meio complicado, infelizmente, ele trava e é todo pixelizado em algumas cenas, não sei se é a resolução ou o quê, só insisto nele porque é um registro importante do segundo livro. Boa sorte.

      Abração.

      Excluir