Total de visualizações de página

domingo, 17 de abril de 2016

SEGUNDA PARTE DOS COMENTÁRIOS DE LUCA FIUZA A RESPEITO DOS CONTOS SOBRE ZÉ GATÃO.

Dando continuidade às impressões do brother Luca sobre seus contos a respeito do meu universo antropomorfo.

O desenho inédito abaixo é um esboço para a ilustração intitulada ZÉ GATÃO - ACERTO DE CONTAS.


O Lucão tem a palavra.

1-   Néctar, Ambrosia e Fel:
         No ano seguinte em 2014, escrevi um dos contos do qual particularmente gosto muito. Já me sentindo cada vez mais acostumado com o universo do felino cinzento, a escrita saiu fluida e as ideias de minha cabeça facilmente se transformaram em texto. O cerne da história foi baseado em referências passadas nas HQs do Eduardo e em conversas que tivemos de que por um período de sua vida o felino trabalhou como DJ. Portanto, esta aventura tratava desta atividade profissional e Zé Gatão a estava exercendo com sucesso em uma Rádio na gigantesca cidade de Andros.  Apesar de eu não ter vastos conhecimentos a respeito do mundo da música, creio que consegui retratar com certa fidelidade este universo glamoroso e em muitos sentidos meio sórdido, misterioso. 
 
         Nesta insólita aventura de Zé Gatão trouxe de volta um velho amigo do felino que apareceu no Álbum Branco e apresentei em Néctar, a figura do todo poderoso empresário musical que domina o mundo da música não só em Andros, mas em diversas cidades importantes. Este empresário, um carneiro de ar benevolente, esconde um mistério que é revelado aos poucos e que mergulha Zé Gatão e seu amigo em situações inesperadas que envolvem música, dinheiro farto e religião, dando sentido ao título do conto. Finalizo
dizendo que na época em que foi escrito, este conto se tornou meu preferido pela densidade de seu texto e capacidade de provocar certa polêmica.


 2-   A Noite da Tigresa:
         Esta história tem uma origem interessante. A princípio quis relacioná-la com uma HQ colorida e incompleta desenvolvida pelo Mestre Schloesser. O nome da HQ é Pintura de Guerra e fala a respeito de um misterioso tigre justiceiro cuja missão sagrada é eliminar a escória da grande cidade, onde ele se esconde. Atarantada, a polícia acaba responsabilizando Zé Gatão pelos crimes do tigre gerando consequências bombásticas e terríveis para o grande gato. Como por diversas razões, a história não avançou e nunca foi publicada, o Eduardo me aconselhou a não ligar o meu conto à Pintura de Guerra. No entanto, eu queria que o felino cinza tivesse sua NÊMESIS. Para atender este desejo, eu então modifiquei o enredo original que tinha criado inicialmente. De uma fera simplesmente brutal e desapiedada, misturei à personalidade da tigresa um sentimento de amor pelo gato, sentimento também correspondido pelo felino taciturno. As consequências disto foram um misto de desejo carnal, violência e, sobretudo uma paixão confusa, muito intensa.
         A Noite da Tigresa é basicamente uma história de ação, mas eu pessoalmente gostei muito da gata selvagem. Ela é um poço de possibilidades, só que a trama tinha um destino já marcado e para manter o nexo e a credibilidade do enredo, em sua segunda e última parte: Amor e Dor tive que concluir a aventura como tinha que ser!  Incrivelmente, esta história teve quatro versões. Somente uma delas eu e Eduardo escolhemos como a mais indicada para figurar no Blog. A última versão alternativa, não foi publicada.  Só algumas pessoas que a pediram a receberam via e-mail, sendo que uma ilustração inédita relacionada a esta aventura alternativa foi agora produzida pelo criador do felino taciturno e foi colocada junto com a introdução, escrita por Mestre Eduardo Schloesser para apresentar meus textos. Como veem, apesar de em minha opinião não ser um texto denso como Néctar, ele mexeu muito comigo e com os leitores. A TIGRESA se tornou para mim um personagem querido em todas as suas versões.


6 comentários:

  1. Tive a honra de acompanhar todos esses contos, inclusive a versão alternativa. Resultado? Virei fã da Tigresa também. No meu cérebro, convivem dois universos com histórias do Zé Gatão. Um é o original schloesseriano. O outro é o dos contos do Luca. Os dois universos ganharam uma espécie de autonomia que nem seus autores poderiam cercear. Estão vivos, têm personalidade própria. Agora vou esperar pelos próximos trabalhos para ver como evoluem. Parabéns, dupla!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Creio que você é nossa mais fiel leitora, Carla, estou até cogitando te mandar a carteirinha do fã clube do Zé Gatão com brindes tipo boné, botom e camiseta, por ser membro único.
      Agora falando sério, fico muito feliz que você goste, afinal você é escritora e como tal tem senso crítico. Agradeço por mim e pelo Luca que se sente muito estimulado com seus comentários.
      Grande abraço.

      Excluir
  2. Estou amando acompanhar as aventuras de Zé Gatão. A dupla de artistas Eduardo e Luca formam uma fusão de talento e criatividade. Parabéns aos dois. Sou fã do Zé Gatão. Já estou até compartilhando com meus amigos. Abração e... Continuem escrevendo mais contos. Abraços!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bacana demais a sua participação comentando nosso trabalho, meu caro Paulo! Muito obrigado.

      Na verdade não sei quais os planos do Lucão para mais contos, mas acho que enquanto eles não chegam, ainda há uns tantos para você ler (infelizmente nem todos pude ilustrar, mas como você sabe, os textos de nosso amigo prescindem de imagens).

      Um grande abraço.

      Excluir
  3. A Tigresa chamou mesmo as atenções.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yeaup! Com esse visual é impossível ficar indiferente, hein!

      Valeu, meu camarada!

      Excluir