Total de visualizações de página

domingo, 20 de maio de 2018

O MAL QUE SE ESCONDE NOS CORAÇÕES HUMANOS.

Ah, esses dias próximos do fim! Quão lentos parecem na tristeza! Quão rápidos passam em momentos de bonança!

Eu nunca mais tinha comprado quadrinhos, mas esta semana passei na revistaria que costumava frequentar e me deparei com um "Coleção Histórica Marvel" dedicada ao Shang-Chi, o Mestre do Kung Fu. Adquiri na hora! A primeira vez que li este gibi foi em 1975, ano em que fui morar em Brasília. Por aquele período eu era fissurado em artes marciais, viciado nos filmes do Bruce Lee e na série televisiva Kung Fu (já declinei isso aqui um porrilhão de vezes!). Como minha leitura anda muito lenta devida ao tempo escasso, ainda estou nas primeiras histórias, mas dá para sentir que aquilo não envelheceu nada, tem o mesmo frescor, continua muito bom e me transportou àqueles dias ensolarados na Capital Federal. Ainda tem mais três edições para sair, fico no aguardo.

Esta semana fiz muitos esboços para trabalhos que estão em andamento e finalizei a arte do enigmático O Sombra. Mítico personagem criado na década de 30 para o rádio e depois adaptado para a literatura pulp, cinema e quadrinhos. A iustração foi encomendada pelo André Araújo, um cara muito legal que diz gostar dos meus traços e cores. Valeu a confiança, André!


Nos últimos tempos tenho recebido retornos muito emocionantes de pessoas que gostam do que eu crio. Bem, não chega a ser uma novidade, sempre leio comentários gentis de alguém que começou a desenhar depois que conheceu meus rabiscos. Mas teve dois episódios recentes que me marcaram e que vou guardar no coração com muito carinho. Antes de ter um computador eu frequentava uma lan house que ficava a umas quadras de distância da minha casa para escanear minhas artes e mandar para a editora Escala. Um menino que também comparecia ao local, certa vez, muito educadamente, me abordou: "O senhor é desenhista?" Eu: "Um pretenso desenhista, sim." Ele: "Eu também gosto muito de desenhar." Eu: "Que bom!" Ele: "Seus desenhos são demais!" Eu: "Obrigado!" Não lembro bem o restante do breve papo mas eu incentivei ele a continuar a se desenvolver no desenho. De lá para cá eu o encontrei algumas poucas vezes no bairro e sempre trocamos algumas ideias sobre quadrinhos. Ele sempre polido. É um mocinho miúdo de muito boa aparência. Gosta muito mais da DC do que da Marvel. O caso é que umas duas semanas atrás eu cruzei com ele (agora um rapaz - ainda pequeno em estatura - bem vestido e de cavanhaque) em uma esquina e no breve colóquio que tivemos ele me disse que na verdade não continuou desenhando, mas que  havia se formado em designer gráfico e ganhava seu dinheiro com isto, e acrescentou que isso só aconteceu pelo incentivo que dei a ele naqueles dias da Lan House. Fiquei feliz por ouvir de viva voz.
O outro caso foi uma mensagem que recebi no Facebook de um rapaz que disse que sofre de depressão crônica (sei bem o que é isso, e como sei!) e que numa das piores crises que ele teve o que o ajudou a superar foram meus textos neste blog e ao ler Zé Gatão - Crônica  do Tempo Perdido ele se sentiu "em casa", se não fosse isso ele não sabe o que poderia ter acontecido.
Deus trabalha de muitas maneiras misteriosas - eu creio nisto! - e parece que minha escrita e meus quadrinhos tiveram funções um pouco além do que meramente entreter.
Sinto-me recompensado.

Escrevo estas palavras hoje um tanto na pressa, portanto perdoem algum erro. 

Que todos vocês tenham uma ótima semana!

6 comentários:

  1. Viu só a baita responsa de postar na internet, Schloesser? A gente nunca sabe quanto nem quando está influenciando alguém. Tenho o maior medão disso. Já pensou se eu resolvo desistir da vida porque um tal de Flaubert disse que sou feita pra dor e que o destino do meu coração é viver mergulhado em lágrimas? ;) Brincadeiras à parte, seu desenho ficou sensacional! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Carla! Brrrr, até que você tem razão, da mesma forma que alguém se identificou com meus lamentos e decidiu prosseguir em frente, podia ser o contrário também. É um negócio complicado. Será que Rezso Resess imaginaria que sua canção, Gloomy Sunday, seria responsável por mais de 100 suicídios? Tema bom para discusão.

      Grande abraço!

      Excluir
  2. O Sombra conheci numa reportagem da Heróis do Futuro, falando que ele foi uma das influências na criação do Batman e através do filme com Alec Baldwin. No YouTube, tem um seriado legendado, que ainda não terminei de assistir.

    Muito que fui a lan houses quando não tinha computador e internet em casa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, Anderson, legal saber que tem um seriado no YouTube, curto muito O Sombra!
      Valeu, man!

      Excluir
  3. Vale a pena desenhar Eduardo,acredito muito na arte como escape do cotidiano,terapia,um presente de DEUS para aliviar a alma,muito emocionante este relato!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São palavras muito gentis, Rita, agradeço imensamente! Concordo, a arte para mim sempre foi um grande lenitivo.

      Abraços!

      Excluir