Total de visualizações de página

terça-feira, 23 de agosto de 2011

POE ( AOS TRANCOS E BARRANCOS ).



Esta biografia do poeta americano Edgar Alan Poe esta comigo a tanto tempo que as pessoas que a encomendaram (meu agente/editor e o roteirista) devem pensar que ela jamais será concluída. Nunca mais tocamos no assunto. Eles tem muitas coisas com que se ocupar e eu também, esta então seria mais uma das inúmeras tentativas de engatilhar um projeto sem sucesso no complicado panorama das artes visuais. Leio com frequência sobre filmes que nunca saíram do papel e outros até cancelados mesmo com a produção em andamento. Acho que tudo é uma questão de dinheiro.
Quando começamos esta HQ sobre a vida do Poe, me falaram que havia uma importante editora interessada nela, depois um agente literário tentava junto a outras editoras levantar um adiantamento de dinheiro para que eu pudesse me dedicar com exclusividade. Como eu tinha mais tempo naqueles dias, comecei febrilmente a dar corpo às palavras do Rubens Luccheti.
Devo ressaltar aqui que não gosto de trabalhar com roteiro de outra pessoa (esta pode ser uma das causas do porque eu talvez jamais faça sucesso neste meio), só topei porque admiro muito o biografado e também me deram total liberdade para eu fazer do meu jeito. Admito que esta obra não ficou pronta por minha culpa. Quis trabalhar nela com um tom de lápis que fosse ficando mais pesado a medida que miséria e o alcoolismo fossem tomando conta da vida do personagem, e encontrar o tom certo nas cenas é trabalhoso.
Hoje pela manhã acabei a página 44, estamos no ponto onde o jovem Poe, execrado pelo pai adotivo tenta publicar seu primeiro livro de poemas.
O tal adiantamento pelo trabalho até hoje não veio, mas quero conclui-lo, só não o farei se ficar inoperante ou morrer antes, independente do que pensem. Sempre que sobrar uma folga, vou executando as páginas, e isto se me mandarem parte do roteiro que ficou faltando no miolo da história, mas vai levar um tempo até eu chegar neste ponto. Até lá vamos tocando a vida.


2 comentários:

  1. Fala, Eduardo! Admiro sua determinação. Acho que ficará bem bacana. E vc, sempre com essa abordagem mais expressionista (Esse lance do lápis ir ficando mais pesado com os reveses do Poe).
    Abração e boa semana,

    ResponderExcluir
  2. Pois é, rapaz, sabe, vou te contar um segredo, se eu pudesse, largaria tudo isto pra lá. As vezes fico farto d´eu mesmo me cobrar a todo instante, mas se não faço assim, não produzo nada e consequentemente não pago minhas contas, eu peguei este trem e agora ele está acelerado demais pra pular fora, se eu o fizer, me lasco todo. Não há alternativas senão seguir em frente.
    Obrigado por sua presença e boa semana pra você.
    Abraços.

    ResponderExcluir