Total de visualizações de página

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

ZÉ GATÃO - O TOTEM DE OSSOS



Pra você que está chegando agora, as aventuras de Zé Gatão se passam em um universo antropomorfo cheio de injustiças e extrema violência, onde a luta pela sobrevivência e a  lei do mais forte imperam. É minha forma de regurgitar em forma de quadrinhos o que as situações da vida presente me empurram garganta abaixo. Ali há pouco espaço para o humor e amor, mas eles estão veladamente presentes, ainda que de forma irônica. Há espaço para a esperança? Sim, na figura do personagem central que tenta se safar do lodaçal em que muitas vezes se vê mergulhado mantendo sua integridade.

As últimas ilustrações que tenho feito sugerem hqs que poderiam ter sido contadas se não tivéssemos uma quitandinha (maquiada de mercado) tão mesquinha.

As cenas com camisa rasgada e perigo onipresente são influenciadas pelas imagens de Doc Savage criadas pelo grande James Bama.

Esta cena em particular me leva de volta no tempo, quando morei no Rio de Janeiro em fins dos anos 70. Eu morava num apartamento que ficava em cima de um comércio. Uma vez a cada 15 dias talvez, um poderoso aroma de podridão tomava conta da atmosfera. Era tão forte que durava uns 20 minutos ou mais. Nunca soube a razão, até que numa manhã pude observar da varandinha um caminhão grande abarrotado de ossos passando pela rua, exalando aquele fedor maldito. Pensem em todos aqueles ossos de animais se degradando sob um calor de 40 graus e terão uma ideia.

Aos que curtem as aventuras do felino taciturno resta esperar o derradeiro álbum. Nem eu sei o quanto demorará ainda.

4 comentários:

  1. Quando morava em Goiânia, também encara um caminhão deses na porta da minha casa quase semanalmente.
    Ainda bem que ele apenas passava, mas não tinha como não notar. Quanto a ilustração, eu acho que o suíno mordeu mais do que ele consegue mastigar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aquele é cheiro horrível mesmo, né Elton? E o pior é que fica no ar por um tempo.

      Quanto a sua observação sobre o desenho, concordo com você. Não seria a primeira vez que Zé Gatão enfrenta um javali, lembra da hq "Galo De Briga"?

      Excluir
  2. Oi, Schloesser!
    Agora imagine ficar preso num engarrafamento, na estrada, atrás de um caminhão desses. Foi o que aconteceu com o ônibus fretado que eu tomava pra ir à faculdade. Teve gente passando mal.
    Achei legal você explicar sobre as aventuras do Zé Gatão. Faço parte da turma de seguidores novos e só conhecia o personagem "de vista" aqui no blog.
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu Deus, Carla, que provação terrível essa experiência do ônibus atrás do caminhão! Sou muito sensível a aromas, com certeza eu estaria entre os que passaram mal.

      Pois é, as aventuras do felino melancólico são assim, ele tá na dele e sempre aparece um casca-grossa, uma situação pedreira pra roubar a paz almejada e ele tem que se safar. Uso muita simbologia e filosofia barata. As cenas de sexo em alguns álbuns já me valeram o título de insano.

      Abraço e obrigado.

      Excluir