Total de visualizações de página

domingo, 4 de março de 2018

AS MAIORES HQS DE TODOS OS TEMPOS: BLOODSTAR


Richard Corben é um dos maiores artistas de todos os tempos, um dos que mais influenciaram a minha forma de fazer quadrinhos, mas não é para falar exatamente dele que estou aqui, mas para comentar a respeito de uma das melhores obras que ele realizou: BLOODSTAR.


Quem me acompanha a muito tempo sabe que esta série que batizei de "os melhores quadrinhos de todos os tempos" não tem como objetivo destrinchar este ou aquele comic, mas falar o que ele significou em minha vida e porque eu acho um dos mais significativos do mundo (pela minha ótica).


Bloodstar é uma adaptação do conto "The Valley Of The Worm" de Robert E. Howard, o mítico criador do Conan, e narra a história de um guerreiro aesir que nasce com um sinal na testa que lembra uma estrela vermelha, daí seu nome: Bloodstar. A narrativa começa com o fim da civilização causada por uma estrela que desencadeia desatres naturais em nosso planeta. O mundo acaba e os sobreviventes voltam ao estado de barbárie. Tribos se formam e duas delas guerreiam entre si: Os pictos e os aesires. Num destes confrontos dois inimigos mortais acabam se tornando como irmãos, Bloodstar e Brom, o picto. Nesta graphic novel magistralmente ilustrada por Corben temos romance, traição, criaturas fantásticas, muita aventura e violência até tudo culminar com o duelo entre o protagonista e um gigantesco verme conhecido como o Rei do Abismo do Norte. Uma história trágica.


Veio a público pela primeira vez em 1976 numa edição limitada e numerada.

A cópia que tenho é uma edição espanhola e é colorida (não pelo próprio Corben, infelizmente, mas segue seus métodos de colorização). Na minha opinião a cor matou um pouco da força das ilustrações do livro.
Encontrei meu Bloodstar em uma pequena livraria situada dentro de um cineclube na Rua Augusta em São Paulo. Era bastante caro na época, não só por ser um item raro, mas também por causa de uma moeda forte, a peseta, em relação ao nosso dinheiro. Eu não podia perder aquela oportunidade, pedi ao meu pai e embora estivéssemos muito apertados neste período ele me deu a grana para comprar o álbum.


Bloodstar me marcou muito no início dos anos 90, tinha todos os elementos que eu gostava numa aventura: bárbaros, mulheres sensuais, javalis, cobras e tigres pré históricos, além do final épico. Falar muito é chover no molhado, só lendo para se certificar.

Nunca foi lançado no Brasil e mesmo nos EUA e Europa teve poucas reedições e está esgotada a muitos anos, o que é uma pena para os amantes de quadrinhos sensacionais.

  
 

4 comentários:

  1. Já devo ter falado que meu 1º contato com artes do Corben foi numa hq curta da Heavy Metal, que foi mostrada numa Heróis do Futuro. Fora isso, vi que fez uma da mini Batman- Preto & Branco e uma do Espectro.
    Desenhos expressivos e fortes, próprios de fantasia e terror.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Anderson, você já tinha comentado. Corben foi pouco publicado no Brasil, salvo na Krípta (material da Warren americana) dos anos 70 e alguma publicação ali ou acolá (tipo Heavy Metal edição Brasil), hoje se publica mais deste artista por causa das coisas que ele fez para as editoras mainstream como Cage, Banner, Motoqueiro Fantasma (Marvel) e Spectro, Batman, Monstro do Pântano (DC), mas as suas HQs autorais tem pouca coisa em solo brasileiro, acho que lançaram Espíritos da Morte, baseados nos escritos de Edgar Allan Poe.

      Excluir
  2. Nunca foi lançado no Brasil!? Seu exemplar deve valer uma bela grana, Schloesser. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deve valer mesmo Carla, na Amazon e no E-bay já vi venderem Bloodstar por preços bem salgados.

      Grande abraço!

      Excluir