Total de visualizações de página

quarta-feira, 2 de abril de 2014

ANTIGA MATÉRIA SOBRE ZÉ GATÃO-MEMENTO MORI NO MDM.

QUANDO FINALMENTE SAIU PELA DEVIR O AGUARDADO ÁLBUM ZÉ GATÃO-MEMENTO MORI, FIQUEI SURPRESO COM O SILÊNCIO DOS SITES ESPECIALIZADOS EM QUADRINHOS, NEM UMA CRÍTICA OU RESENHA. O "UNIVERSO HQ" PUBLICOU UM PRESS RELEASE NA SUA PÁGINA PRINCIPAL QUE FICOU NO AR DURANTE UMAS SEMANAS, MAS FOI SÓ. 
TEMPOS DEPOIS PIPOCARAM NA WEB UMAS RESENHAS BASTANTE POSITIVAS. A MAIS LEGAL FOI ESTA DO SITE "MELHORES DO MUNDO", QUE REPRODUZO AQUI. A MATÉRIA É DE 2011 E FOI ASSINADA PELO "BUGMAN". 

PELO QUE POSSO LER NOS SINAIS DE FUMAÇA, O MERCADO NÃO ANDA (DE NOVO) MUITO BOM PARA OS QUADRINHOS NACIONAIS, E MESMO QUADRINHOS DE UM MODO GERAL, AS EDITORAS NÃO TEM LANÇADO NADA (SINAIS DA CRISE - MAQUIADA PELO GOVERNO - QUE AÍ ESTÁ?), DESTA FEITA, NÃO HÁ NOTÍCIAS DE "ZÉ GATÃO - DAQUI PARA A ETERNIDADE", A CONCLUSÃO DA SAGA.
SÓ RESTA ESPERAR.
ENQUANTO ISTO, LEIAM (OU RELEIAM) A MATÉRIA:

A GENTE LEMOS: ZÉ GATÃO - MEMENTO MORI - MELHORES DO MUNDO

.

A gente lemos: Zé Gatão - Memento Mori Tweet
Eduardo Schloesser é muito mais que um sobrenome difícil de se pronunciar. No país em que leitores preconceituosos dizem que não há quadrinhos brasileiros com ação e aventura de qualidade, seu Zé gatão sempre foi superior a boa parte do que vemos nas unlimited series dos Comics. Sem um pingo de ufanismo.
[Mais:]
Schloesser talvez pague o preço por termos tantos fanzines e outras iniciativas ambiciosas que façam barulho na base da brodagem de resenhas chapa branca em diversos espaços por aí. Normal, mas inaceitável. No mundo do quadrinho brasileiro muita gente costuma julgar os artistas brasileiros por gente que se diz artista, mas tem como profissão ser "mimimidor". Ou simplesmente, bancar a vítima de um mercado que ainda tem muito potencial.
E anos atrás, quando havia muito mais preconceito, não tinha internet e você ouvia muito mais que "HQ é coisa de criança" o Zé Gatão foi criado. Era 1992, quando o Flamengo se sagrava pentacampeão em cima do Botafogo, e ele só conseguiu publicar seu primeiro álbum em 1997. Zé Gatão - Memento Mori é um lançamento da editora Devir que o artista só terminou em 2003. É um álbum precioso que faz jus a um dos trabalhos mais importantes do quadrinho sul-americano da última década. Confira a sinopse da editora:
A expressão latina “memento mori” significa, literalmente, "lembre-se da morte", ou, mais profundamente, algo como "lembre-se de que você é mortal; lembre-se de que você vai morrer".

Assim, como um presságio, o título deste livro prepara o leitor para acontecimentos trágicos e marcantes nessa aventura vivida por Zé Gatão, criação do artista Eduardo Schloesser. Vivendo num mundo antropomórfico que lembra muito a nossa própria realidade, Zé Gatão se vê envolvido (contra a sua vontade) 
numa trama cheia de traição, violência e morte!
Este livro, ZÉ GATÃO - MEMENTO MORI é uma fábula grotesca sobre tirania e revolta, castigo e luta por redenção contada através da arte inigualável de Schloesser, cujo traço detalhista e dinâmico dá vida e ação aos seus personagens. Com uma trama repleta de mistérios e ação ininterrupta, este livro é um verdadeiro épico em quadrinhos!
Nesta edição de colecionador, há ainda diversos pin-ups, páginas deletadas e um final alternativo da história, além de esboços e comentários do autor!
Na história, o protagonista ainda atravessa sua longa estrada tentando salvar a si e seus amigos Leo Banana (um simpático Chimpanzé) e a gata Alice. Nessa estrada, Zé Gatão precisará ainda pedir ajuda a estranhos e descobrir a sua sina.
A arte de Schloesser consegue antropomorfizar qualquer mamífero em figuras com muito mais movimento e força do que estamos acostumados. O desenhista mantém o nível no roteiro. É raro ver um artista dos quadrinhos de ação tão completo. Os Comics nos apresentaram John Byrne e Frank Miller, roteiristas e desenhistas ao mesmo tempo, na mesma época em que o jovem Eduardo iniciava sua carreira por aqui.
É inútil comparar até porque os EUA já tinham um mercado bem mais maduro, mas poucas vezes vi um nome que me fizesse ficar confuso entre dizer que é um desenhista que escreve ótimos roteiros ou um roteirista que desenha muito bem. Seus personagens são intensos, nada bidimensionais e têm uma personalidade bem delineada. Zé Gatão é muito mais do que qualquer personagem de Bruce Willis.
A ação de Zé Gatão - Memento Mori lembra bastante os velhos filmes de ação com muitas explosões e cenas massas, véio... Mas seus momentos dramáticos soam muito melhor do que os filmes de Schwarzenegger (em alguns momentos, Memento Mori me lembra o clima desesperador de Vingador do Futuro). O clímax desesperador, sem nenhuma luta final e apenas mais transparência da alma felina do herói, deixa a expectativa pelo próximo lançamento. Será que demora?
Em seu blog, Schloesser afirma que "se haverá uma nova aventura deste felino invocado, vai depender muito da receptividade de Memento Mori". Todos nós temos preconceito. Todos nós avaliamos precipitadamente alguma coisa ou alguém. Seria bom que nos próximos meses, Zé Gatão - Memento Mori recebesse uma chance. OsR$32,90 do álbum são um valor mais do que justo para a qualidade e conteúdo. Economize seu dinheiro, peça de natal... Enfim, dê uma chance para este excelente álbum de um personagem que tem bem menos fama do que merece.
Nota: 9
Zé Gatão – Memento Mori
Preço: R$32,90
História & Arte: Eduardo Schloesser
Acabamento: Brochura com laminação fosca com reserva de verniz e orelhas
Miolo: 256 páginas P/B em papel off-set 90g/m²
Formato: 16,0 cm × 23,0 cm 
Bugman sempre foi fã de antropomorfos

6 comentários:

  1. Que bacana! Nota 9 e o bonitinho aqui não leu ainda... preciso me penitenciar disso.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sabe o que está perdendo, Gilberto. Brincadeira. Mas cê não tá sozinho nessa, acho que meu irmão médico até hoje não leu também. Vá sem pressa (mas, please, não deixe de adquirir).

      Excluir
  2. Claro que eles só podiam gostar, Schloesser. As cenas de ação e o ritmo são incríveis. Isso sem falar nos desenhos. Quanto à crise maquiada, concordo com você. Resta esperar pra ver quando vai se revelar. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Carla.
      Quanto a tal da crise, bem, veja só, tenho uns conhecidos que trabalham nestas mega lojas de departamento, as demissões estão grandes porque as empresas estão com baixo faturamento, coisa que não acontecia a muito tempo. Some a isso à violência crescente dada a impunidade e temos um país prontinho para o sistema bolivariano tão almejado pela corja que está no poder a mais de uma década.
      A nós, cidadãos cumpridores dos nossos deveres, resta seguir na luta.
      Grande abraço.

      Excluir
  3. Imagino um encontro do Zé com o Garfield...

    ResponderExcluir
  4. Na verdade, Roberto, tal encontro já ocorreu, no primeiro álbum, o branco, Garfield é mostrado como amigo de infância de Zé Gatão.
    Obrigado por seu comentário.

    ResponderExcluir