Total de visualizações de página

quinta-feira, 19 de junho de 2014

EU DESENHAVA MUITO MAL.


Não sei, o título desta postagem pode soar para muitos um exagero, uma vez que os desenhos exibidos hoje foram feitos quando eu tinha 14 anos. Eu era, nesta época, um fanático por artes marciais chinesas e tudo que se referia a elas. Meu gibi predileto do período era o Mestre Do Kung-Fu, da Marvel, fosse desenhado pelo Jim Starlin ou Paul Gulacy, pra ser franco eu preferia este último porque ele deixava o Shang-Chi com a cara do Bruce Lee.
Eu desenhava muito em cadernos de escola. Em 1976, querendo imitar o Spirit do Will Eisner, criei Os Cobras, na verdade era para ser só O Cobra, mas eu tinha mais três amigos na sexta série nos quais era muito ligado, então criava histórias em quadrinhos onde nós quatro éramos detetives e investigávamos uns casos lá. Também havia romance, afinal cada um de nós tinha uma garota de quem gostava. É lógico que elas não sabiam que eram nossas garotas, tampouco que eram personagens de hqs. Aquilo não durou muito, logo passei a agir sozinho... bem, eu não, O Cobra.


Muito disso aconteceu por causa do Luca, meu amigo de infância (já postei sobre ele aqui, ele também foi o autor de alguns contos do Zé Gatão). Ele foi minha primeira grande influência nos quadrinhos, mesmo antes de Eisner. Ele tinha um amigo que desenhava muito, o César (até hoje um dos maiores talentos que vi em ação), e isto meio que me obrigou a dar um salto qualitativo nos meus traços, digo isto porque antes de Luca e César meus rabiscos ainda eram piores do que o que vemos aqui. Nossos desenhos e hqs eram vistos apenas por nós, trocávamos estas informações. Como eu era muito fraco no que fazia, o César vivia me espinafrando, já o Luca curtia e incentivava. Não é de admirar que essas "relíquias" estivessem até hoje guardadas com o meu velho amigo, afinal eu fiz para ele, tinha até dedicatória, vejam só!


Esses velhos desenhos me enchem de constrangimento, pra ser sincero, não só por causa do traço em si mas pelo teor de violência que eu demonstrava já naquela época e eu nem me lembrava disso. Acho que precisava de tratamento. Para mim fica claro que eu usava isto como válvula de escape. Queria esmurrar as pessoas mas não tinha coragem, então esmurrava no papel.

Eu digo que desenhava mal e o faço de forma muito fria. Sei que tem artistas que desde muito cedo já dão um banho em muito marmanjo, só pra se ter uma ideia o Todd MacFarlene, o criador do Spawn, entrou para a industria dos quadrinhos com 18 anos e acha que começou tarde. Tá, tem muita gente que não curte o cara como quadrinista, mas Pablo Picasso pintava retratos a óleo de fazer inveja a veteranos com 15 anos de idade.  

Mas tudo bem, eu sei que certos talentos, como Mozart e Picasso não servem como exemplos por serem exceções, não regra, mas é sabido que artistas aos 14 anos desenham e pintam muito melhor do que eu fazia nesta idade, César e Luca eram a prova.
Mas isso não me desmerece, é claro, eu batalhei muito para ser um desenhista de qualidade.

Sempre fui um cara extremamente problemático, não me sentia a vontade perto das pessoas, não queria fazer parte de time nem grupo de qualquer espécie. Acho que eu era como o Joey Ramone, uma espécie de alienígena, um cara que não se adequava e não faltou quem dissesse que não me queria por perto. Eu não era bonito, não era alto, nem inteligente, um sujeito insignificante e sem atrativo nenhum, em suma; mas senti que tinha um gosto e talento natural para a arte e foi esta a minha via de acesso para ser "alguém". Batalhei com o que tinha e na maioria das vezes remando contra a maré e caminhando contrário ao vendaval.

Venci? Julguem vocês. Tenho um estilo que é minha marca (o testemunho não é meu, mas do público). Criei um personagem carismático (outros afirmaram antes que eu me desse conta do fato). Publiquei livros e conquistei um bocado de admiradores, então....

Vai soar clichê, mas se eu consegui, você também consegue.


6 comentários:

  1. Me fez lembrar da minha infância, quando rabiscava em folhas de caderno, de ofício e de outros tipos. Além de copiar poses de super-heróis, enredos do que eu assistia na TV ou de outras HQs.
    Além de lápis e borracha, gastava canetas esferográficas (inclusive, as de 4 cores!). Fui deixando de fazer bonecos de palitos, aquelas figuras com cabeça redonda e corpo todo fino, sabe? Antes disso, um primo costumava desenhar na época em que morava em Porto Alegre e... deve ter despertado meu interesse em desenhar, aos poucos.
    Por teimosia, continuei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rapaz, um pouco antes dessa faze mostrada aqui,eu fazia meus quadrinhos com bonecos de palito. Cheguei a fazer várias páginas assim, eram vários caderninhos carregados de histórias violentas e cheias de amargura. Quem lia gostava do enredo, mas perguntava: porque você só desenha palitinhos? A verdade é que eu tinha medo de não me sair bem desenhando figuras. Vendo os desenhos dos amigos de infância foi que me decidir dar um passo além, e assim foi. Acho que todo mundo começa mais ou menos assim.
      Grato, Anderson e um abraço.

      Excluir
  2. Parabéns mestre! Não julgo que venceu ou perdeu, ams como você mesmo disse conquistou um traço que só você disse e citando o que li em uma matéria de jornal, faz pouco tempo: "Eduardo Schloesser com seu traço que pode ser reconhecido de longe". Não importa como começou, importa mais é que hoje você é um dos grandes talentos veteranos do Brasil!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, Juliano! Tanks, man, pelas palavras. Sabe, há quem pense que um texto desses é para cavar elogios de alguém, mas quem me conhece legal sabe como sou auto crítico. Se está bom, mostro a todos, se não está, mostro também, todos somos sujeitos a falhas e eu ainda continuo no processo de aprendizado. Mas é legal saber que o esforço está sendo reconhecido.
      Grande abraço.

      Excluir
  3. Isso que é desenhar mal, pra você, Schloesser? Comparando com os seus trabalhos atuais, até pode ser. Mas, se eu tivesse um filho adolescente que desenhasse assim, trataria de inscrevê-lo imediatamente numa escola de desenho. A vocação é evidente. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você sempre muito gentil comigo, hein, Carla! Agradeço de montão. Ok, me convenceu, se o Luca tiver mais destes desenhos antigos vou colocar aqui. Acho que é interessante mostrar a evolução do traço.
      Grande beijo e ótimo final de semana.

      Excluir