Total de visualizações de página

sexta-feira, 26 de junho de 2015

RABISCO RAPIDEX.


O ano de 2015 está sendo mais ou menos como eu imaginei que seria. A crise que viveríamos já era vista no horizonte e para mim se confirmou com o resultado das eleições do ano passado. Viveríamos uma recessão violenta e assusta mais saber que ainda vai ficar um pouco pior. A corrupção institucionalizada como um meio de se chegar a um objetivo maior, o aumento assustador da violência, o total desrespeito pela vida e instituições, a vigilância do politicamente correto....está difícil a vida. A tv aberta mostrando a situação horrível na Venezuela...caminhamos para uma situação similar? Tenho algumas ponderações mas prometi a mim mesmo não fazer deste blog um espaço para falar destas coisas, então...
Enfim não há grandes surpresas, ainda assim dá pra ficar perplexo com alguns acontecimentos no que tange à vida doméstica, situações que não existe razão de ser. Eu e Vera lutamos uma luta desigual com gigantes que só são visíveis a nossos olhos. Mas este ano também me trouxe uma alegria: o tão aguardado desfecho de uma saga do Felino carrancudo iniciada no ano de 1997, e embora até esta droga já comece a perder os efeitos, ainda dá pra sentir a sensação de alívio e de dever cumprido. Falaremos novamente sobre isto em dias vindouros, se Deus quiser.

Voltei aos rabiscos no que costumo chamar de meus Crazy Sketchbooks. Mas ando tão pouco inspirado que até desanima, embora eu tente sempre fazer da melhor forma.


Tenho desenhado pouco se comparado a tempos passados, é como se um outro eu, muito mais amargo e cansado estivesse jogando a toalha. O atual trabalho que me renderá algum dinheiro segue lento, amparado tão somente pela necessidade de sobrevivência, mas não vou me dobrar às circunstâncias adversas. Paralelo a ele preciso retomar à HQ do projeto de terror do grande Allan Alex que ficou parada para fechar a bio do Edgar Allan Poe. E falando nisto, o projeto Poe continua no limbo. Está em fase de letreramento. Qual a casa que vai abrigá-lo ainda é uma incógnita.

Estive sem net esta semana. Se por um lado dependemos dela para o trabalho, fico satisfeito em notar que não me desespero, posso viver sem isso. Felizmente ainda temos cartas e telefones.
Mas que bom que a internet nos propicia a possibilidade deste contato, não é?

BOM FIM DE SEMANA A TODOS e até a próxima, se Deus permitir.

7 comentários:

  1. Uns falam crise, outros diriam recessão econômica, pelo que ouço.

    Vivemos tempos de hipocrisia. Se por um lado, mídias ficam ditando que não é permitido fazer piada com certos grupos ou crenças, por outro somos tratados como criançolas, ao mesmo tempo em que somos bombardeados com vídeos e fotos macabras.

    Legal o sketch do Stallone.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos falar claro, Anderson, isso aqui sempre foi uma bagunça. Mataram a alta cultura, hoje somos bombardeados com lixo pela TV, redes sociais e tutti quanti. Mas os especialistas em generalidades posicionados em todos os pontos não admitem pensamentos contrários aos deles. E vamos caminhando no meio do gado que se acha hoje muito "ligado" na realidade. C´est la vie, mon ami.

      O sketch do Sly foi rapidinho, quis testar rapidez.

      Valeu, meu caro.

      Excluir
  2. Bem-vindo de volta ao mundo virtual, Schloesser! Espero que eu esteja enganada, mas acho que vem aí o estouro da nossa bolha imobiliária. Gostei do desenho. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Carla.

      Poxa, sabe que dá vontade de ir embora? Mas embora pra onde? Parece que o mundo todo tá contaminado por tudo o que pessoas como nós abomina. Fazer o quê? Como na resposta ao comentário acima, só nos resta acompanhar o gado e comer o capim oferecido.

      Grande abraço e espero que a net não me deixe na mão de novo (tenho motivos para estar com o pé atrás).

      Excluir
  3. Meu amigo Luca sempre responde minhas postagens por e-mail. Este comentário dele achei muito interessante e com a permissão dele reproduzo aqui na íntegra:

    "De fato, mano, as coisas não andam nada fáceis, se é que um dia andaram no acidentado caminho trilhado pelo gênero humano. Mesmo os ricos e poderosos têm seus problemas. Não entra o quesito falta de grana como o é para os comuns mortais! E mesmo estes ricos podem vir a perder tudo o que têm! Principalmente a geração seguinte! Todos têm altos e baixos! Todos haverão de provar em diversos momentos da vida o néctar da vitória, da prosperidade das alegrias e se debater no pântano dos dissabores e das tragédias pessoais e coletivas. Todos provarão a Morte, não importa o quão fodões sejam ou se achem. Tendo consciência disto, o viver não é somente uma coleção de tormentos! Colhemos também bons frutos que plantamos, colhemos ou ganhamos de outras pessoas de nosso círculo ou até mesmo de completos desconhecidos. O Teatro da Vida é complexo! Maravilhoso e ao mesmo tempo tenebroso! Rico e cheio de lacunas! Muita alegria e muito sofrimento, tudo mesclado e ao mesmo tempo separado em camadas! Nossa mente, e nosso entendimento para não pirar divide tudo isto em fatias para conseguir entender uma fração deste todo! Uns entendem mais, outros menos, alguns NADA! E vamos levando, sobrevivendo, nos achando às vezes quase deuses e ao mesmo tempo umas amebas! Vida Loca, não?!

    Lucão."

    ResponderExcluir
  4. Verdade. Não está fácil. Mas não desanime não, Eduardo! Já estive em situações desesperadoras de tão ruim. Com isto não quero dizer que menosprezo sua problemática (eita! falei difícil!), nem que eu esteja nadando num mar tranquilo e próspero, mas sim que sempre há uma solução. Não sou muito religioso (no sentido de ir a igreja) mas confio muito que podemos sempre ser agraciados com o bem. Tenho certeza que somente coisas boas estão no seu horizonte, embora você não as consiga enxergar ainda. Ótimo final de semana. Abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está coberto de razão, Gilberto. É assim mesmo. Na verdade já estive em situações até mais cascudas que a atual, mas saber que já estive em buracos mais fundos e que existem pessoas em situações piores não me trás consolo, mas acho que todos gritamos ao sentir dor, não é? Contudo sigo firme no propósito de vencer estas batalhas, ficar parado apenas lamentando não é uma opção.
      Agradeço muito os bons auspícios e torcida.
      Bom fim de semana também e um forte abraço.

      Excluir