Total de visualizações de página

domingo, 24 de julho de 2016

FANART DE ZÉ GATÃO POR FÁBIO HASMANN

Queridas e queridos, boa noite!

Sabem, não consigo mensurar a popularidade do meu personagem de quadrinhos, é complicado. No início, quando o criei, ainda desenhando o primeiro álbum, ao mostrar as páginas que iam ficando prontas (naquela época eu ainda fazia isso, acho que procurava aprovação) ouvia elogios mas também escutava palavras de velada reprovação: animais humanizados num mundo distópico? Não seria mais interessante um detetive ou cowboy urbano enfrentando problemas do dia-a-dia? Meu gosto por cenas de ação, mesclada à fantasia levada às últimas consequências me fizeram prosseguir sem me importar se agradaria ou não. Por entender que sexo faz parte do ambiente abjeto que queria retratar, eu as incluí da forma mais crua possível. Com a violência explicita e todo o resto que causa repúdio, eu sabia que o público ficaria limitado, mas fui em frente, afinal - só para repetir - era a minha forma de devolver o que eu me sentia obrigado a absorver. Bom, deu no que deu. A cada álbum lançado uma reação era provocada e sempre foram mais positivas que negativas, felizmente. Mas com a precariedade da divulgação, quem tinha um livro nas mãos pensava que fosse a estreia do personagem, nunca imaginava que havia um álbum anterior. Os espaços de tempo entre as publicações e o meu misantropismo (não sou frequente nos eventos de cultura pop tão em moda hoje) não ajudam a propalação do personagem. Mas sejamos francos, tirando os personagens do Maurício de Souza e do Ziraldo existem personagens de quadrinhos brasileiros que permaneçam na lembrança do grande público? Lembrando que os autores citados tem uma máquina forte empurrando suas criações, um tem aval do governo e o outro grandes empresas licenciando produtos, ambos são voltados para a garotada. Alguém poderia citar as criações do Angeli, tá certo, bem lembrado, mas o que mais? Todas as personas dos quadrinhos como a Mirza, a Velta, o Raio Negro, o Judoka, Garra Cinzenta e outros tantos só veem à mente de leitores antigos ou estudiosos dos quadrinhos. Quando se fala em quadrinho nacional ninguém lembra de Nho Quim, a criação do Ângelo Agostini. Então que importa se pouca gente sabe quem é o Zé Gatão?

Esses dias tenho recebido bons retornos. Um pessoal novo, bem educado, culto e com boa leitura (de tudo, não só de HQs) tem me passado mensagens bacanas de como gostaram das aventuras do grande gato e viraram fãs. Eles só vieram conhecer agora, como o Fábio Hasmann e sua esposa Elke que me mandaram esta foto via Facebook.


Recebi mensagens de outros me parabenizando pelos livros e querendo saber mais sobre o personagem e se os tomos esgotados serão republicados.
Tem aqueles, que nunca ouviram falar, acham graça por causa do nome, pensam que é um quadrinho comédia, pra rir, nem se dão ao trabalho de pesquisar no Google. Outros dizem que o nome não vende o personagem (ainda essa história?!) e por isso nem se interessam em conhecer o conteúdo. Normal. Tem que existir os que julgam o produto pela capa.

Minhas histórias são pensadas. Construo camadas. Tem ação, aventura, drama, algum romance e um pouco de filosofia pessoal, se há humor, acho que é involuntário, e, sim, tem sexo (no começo tinha mais), então quem quiser ver o todo, verá o todo, quem quiser ver apenas os pênis e vaginas, só verá pênis e vaginas, não posso fazer nada e cansei de me justificar.

Também fiquei fora do HQ Mix, tinha sido pré selecionado como melhor desenhista nacional e o ZÉ GATÃO - DAQUI PARA A ETERNIDADE como melhor álbum nacional, ou algo assim e não chegamos lá. Difícil, concorria com uma turma muito mais badalada. Por isto alguns admiradores da minha arte se comunicaram via rede social para dizer que foi sacanagem e que não há justiça no prêmio. Não é isso, não. Tudo, até no Oscar, tem que haver um barulho grande em cima do produto, tem que ter um investimento de tempo, vejam só, recebi bastante comunicado de artistas que conheço pedindo que eu votasse neles (eu sequer voto no HQ Mix). O caso é que não tenho saco para estas coisas.

Mas o mais legal de tudo isso é que uns gostam tanto que utilizam seu precioso tempo fazendo artes do personagem, dão a sua visão pessoal e isso me enche de orgulho!
O Fábio Hasmann, que também é um desenhista dos bons, criou este Zé Gatão com uma levada de desenho animado, digam aí: ficou irado, não é mesmo?



Muito obrigado Fábio, de coração! Tua arte já faz parte da galeria.

E assim nosso felino cinzento e tristonho continua sua trôpega caminhada pelo inexistente caminho dos quadrinhos brasílis - mas sempre em frente.

Beijos a todos e até a próxima.
















 

9 comentários:

  1. Nossa! Valeu mesmo, amigo! Com certeza fiquei um grande fã de sua criação. Acredito no potencial do Zé Gatão e estou doido pra ver não só o Daqui para a Eternidade, mas também torço pra vislumbrar mais histórias desse felino aventureiro! Agradeço por ter gostado do desenho. Foi de coração que eu fiz. Parabéns e sucesso sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muita gratidão, Fábio! Me sinto honrado com sua homenagem. Muito sucesso pra você também!
      Abração.

      Excluir
  2. O desenho do Fábio ficou bem bacana.

    Você foi pré-selecionado em 2 categorias, hein? Nada mal! Chegou bem perto. Foi um belo arranhão (no bom sentido).
    Confesso que vi as listas, mas fiquei confuso se eram mesmo indicações do prêmio ou sugestões de lançamentos e autores.
    Também nunca levei em conta, ao contrário do Prêmio Ângelo Agostini, que já votei outras vezes. Nunca concorri. E nos últimos anos o HQ Mix tem sofrido queimação de filme.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu amigo Anderson, muita gente que curte meu trabalho dava como certa minha vitória. É lisonjeiro mas tava na cara que eu não ia ganhar nada. É preciso estar na crista da onda, aparecer, ser bem famosinho, ir nos eventos de cultura pop, ser lembrado a todo instante em redes sociais e talz. Veja como boa parte dos que concorrem na reta final são desenhistas e roteiristas das graphics MSP. Mas justiça seja feita, esses são mesmo muito talentosos.

      O Ângelo Agostini, segundo me contaram certa vez, premiou um artista que não publicava nada a mais de cinco anos, mas o cara era famoso.

      C´est la vie.

      Abração.

      Excluir
  3. Esse Zé Gatão é um personagem de sorte, reúne fãs pra lá de talentosos. Parabéns, Fábio, pelo ótimo desenho! Parabéns, Schloesser, pela elegância diante das injustiças!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu concordo com duas coisas Carla, Zé Gatão é mesmo sortudo, por ser retratado em estilos diversos e também por ter fãs talentosos, você por exemplo é o talento em pessoa.

      Obrigado pelas palavras.

      Beijos.

      Excluir
    2. Ah, o que é bom merece ser enaltecido!

      Excluir