Total de visualizações de página

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

VORAGEM

Fico pensando quando vou poder me mudar daqui, ir para um lugar mais ameno, não falo apenas do clima.
Fico pensando também em procurar um emprego regular, atendente numa loja de shopping ou algo assim, alguma coisa em que não exigisse muito da minha cabeça. Mas não, eu não suportaria um lugar desses, lidar com pessoas dessa maneira só apressaria meu fim.
Esta é uma das razões pela qual não exerço a função na qual me formei, que é a de arte-educador. Quando eu era moleque apanhava da professora (é sério), hoje é bem capaz que eu apanhasse dos alunos. Até me vejo como o corcunda de Notre Dame, manietado e sendo chicoteado com os fios dos i-fones da molecada. Até porque o salário de professor não compensa o que boa parte dos educadores enfrentam nos estabelecimentos de ensino.
O que me pagam pelas ilustrações que faço também é uma vergonha, e quando acaba a tarefa, lá estou eu batendo nas portas de novo, e muitas não abrem.
Bem, melhor para de reclamar, na verdade eu tenho muito mais do que mereço.

Na verdade, o tema da postagem de hoje era pra ser outro. Apesar que o título tem tudo a ver com o que eu acabei de escrever.

Toda vez que saio de casa agora vejo um acidente envolvendo motociclistas. Não é novidade nenhuma, numa cidade como São Paulo os dados estatísticos são assustadores, os pilotos de motos são abusados e imprudentes, mas a verdade é que os condutores de veículos fechados não respeitam os que viajam em duas rodas. Meu irmão, quando foi residente no Hospital Santa Marcelina, se espantou com o número de acidentados que davam entrada na traumatologia.
Não sou jornalista e não me cabe aqui discutir um assunto que já foi tema até de documentário, tampouco fazer uma crônica sobre violência no trânsito, o caso é que numa dessas minhas incursões à cidade, ao ver um pobre coitado cheio de sangue estirado no asfalto ao lado de uma moto toda retorcida, me veio à mente esta imagem que esbocei rapidamente. Os primeiros traços foram feitos ainda dentro do ônibus.

Estou planejando mais um conto neste espaço. Vamos ver como fica meu tempo para os próximos dias.
É muito bom este momento com vocês.
Boa noite.


2 comentários:

  1. hj mesmo vi um acidente aqui, gracas a Deus ninguem se machucou feio, mas isso foi hj, pq tbm já cenas bem tristes como a que vc descreveu... o problema nao esta só em sao paulo, esta em todo lugar, o problema somos nós, parece que as pessoas se esquecem da educacao, querem sempre levar vantagem, chegar primeiro, ser privilegiado, e nesse raciocínio egocentrista é que vao acontecendo irritaçoes, açoes por impulso e todo tipo de bobagem...
    infelizmente o brasileiro é culturalmente muito "esperto" e acaba sendo vítima de si próprio.
    bjo

    ResponderExcluir
  2. Salve bruna.
    Você já disse tudo, não há nada a acrescentar.
    Obrigado e um beijão.

    ResponderExcluir