Total de visualizações de página

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

MAIS SOBRE A BIOGRAFIA DE EDGAR ALLAN POE.



Edgar Allan Poe fez aniversário a poucos dias e a biografia dele que estou quadrinizando ainda está longe de ficar pronta. Ela avança a passos de tartaruga devido a minha impossibilidade de me dedicar a ela integralmente. Mas ainda que pudesse, nem por isto ela estaria finalizada neste mês ou no outro, isto porque a técnica empregada é trabalhosa, delicada e não tenho mais as energias de antigamente. Trabalho hoje de forma mais metódica e mais lenta.


Dia destes o roteirista perguntou se dentro de três meses eu a terminaria, pois há uma editora no Rio de Janeiro interessada em publicar neste prazo. Eu disse que não poderia prometer, mas que era muito provável que não. Ele então quis passar a bola para outro artista , zerar tudo e recomeçar nos traços de um outro cara que fosse mais rápido. Eu disse a ele que tudo bem. Só seria pena que as mais de 50 páginas que fiz, que já estão prontas, ficariam no limbo.


Fiquei muito chateado com o cancelamento, mas o tempo cura tudo, principalmente nos dias de hoje em que sonho menos e tento ser mais prático. Sendo assim, foi com uma mescla de mágoa e alívio que me vi livre deste encargo e poderia me dedicar aos trabalhos que me sustentam e alguns projetos pessoais que tenho deixado empoeirar faz tempo.


Até que o artista e editor ligado ao projeto me ligou perguntando como estava o andamento da história. Disse a ele da decisão do escritor. Ele, parece, conversou com o roteirista e recebi do mesmo uma mensagem para eu continuar com a obra. Que esperaria.
Eu estou tentando acelerar o processo sempre que possível, mas não é fácil. Ainda estou na juventude do biografado, ele está prestes a ir para West Point, ou seja, tem ainda muito chão pela frente.


Hoje posto alguns traços, rabiscos, design de página e esboços finais, para vocês conferirem mais ou menos como é o meu processo.


Aos poucos a coisa vai ganhando corpo. Uma hora fica pronto.


Edgar Allan poe merece.



6 comentários:

  1. Fala, Eduardo! Bacana ver os processos de trabalho de uma HQ. Que bom que o editor esperará por essa sua obra. Sei como é trabalhoso, mas perder tudo que já foi feito seria uma pena. E, depois, quando a obra finalmente vier a público creio, feito assim, do seu jeito, faria jus ao biografado. Allan Poe merece.
    Um grande abraço,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Gilberto.
      Está mesmo difícil esta obra do Poe. Ontem mesmo trabalhei nela e um único quadrinho me tomou muito tempo. Minhas costas doem demais depois de várias horas sentado numa única posição, e olha que já fiz aqueles exercícios de alongamento e tal, mas convenhamos, a idade conta, meu caro. Não mencionei no texto, que o roteirista espera anos para ver o projeto concluído e ele tem a idade avançada. Mas aos poucos ela vai saindo e vai ficando legal, como pode atestar a página mostrada neste post.
      Um abração, meu amigo.

      Excluir
  2. Muito interessante ver as páginas sendo montadas, Schloesser. Ainda bem que o roteirista reconsiderou. Esse trabalho promete. O negócio é ir com calma, à medida que a saúde permite. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, Carla, à medida que a saúde permite. Espero que ao final de tudo a coisa renda, estou tentando fazer (como sempre) meu melhor trabalho, embora nem sempre fique satisfeito com o resultado. E neste projeto especificamente não ganho um centavo (até agora).
      Obrigado e um abração.

      Excluir
  3. Oi, e bom dia Eduardo, depois de um tempo afastado, (pra não pagar de chato grudento, mas visito este blog diariamente, como já disse certa vez gosto muito de ler o que você escreve), escrevo-te novamente, fiquei feliz em saber que você, usa referências nos processos de criação dos teus trabalhos, embora eu, apenas um amador, gosto de desenhar e ao usar referêcias me sinto um tanto mediocre no meu trabalho, e ao saber que um artista tão conceitoado quanto você usar dos mesmos metodos, me anima, pois considero assim que não estou tão errado em minha trajetória. Obrigado e abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi e bom dia pra você também, Adalberto.
      Uso referências quase sempre, mas é só para me sentir na zona de conforto, ou seja, ela não é o meu suporte, antes de tudo tenho que deixar a minha marca para não parecer uma cópia exata de uma foto por exemplo. Nada contra os artistas que retratam um local exatamente como está na referência, mas valorizo mais o artista impõe a sua marca no trabalho. Como um exemplo prático do que estou falando, tomemos o artista francês Jano que retratou alguns pontos da cidade do Rio de Janeiro ( http://jomarfreitas.blogspot.com.br/2011/11/rio-de-jano-2.html ) obviamente ele usou fotos para as ilustrações, mas ao ver as artes nem parece que o fez, pois ele imprimiu fortemente a sua marca. É o que tento fazer em meus trabalhos. Agora, é lógico que para se exercitar é ótimo usar fotos, seja de rostos, frutas, animais ou paisagens e tentar retrata-los da maneira mais realística possível. Continue trabalhando e se exercitando. Qualquer coisa, estou por aqui (ainda).
      Grato por sua visita e comentário.
      Grande abraço.

      Excluir