Total de visualizações de página

domingo, 8 de julho de 2018

FAMOUS MONSTER DE VOLTA, COM FREDDIE KRUEGER! E TAMBÉM UM RESUMO DE COMO VOLTEI PARA BRASÍLIA EM 1983.

Eu estava animado para fazer as releituras dos personagens da Hanna Barbera e de repente o pique foi pras picas, não sei dizer exatamente o porque..... rabisquei Os Impossíveis no meu estilo e não funcionou, não saí dos traços preliminares, não deu vontade de continuar, isso acontece as vezes; portanto, Homem Pássaro, Herculóides, Falcão Azul, Bionicão e outros terão que hibernar até que eu me sinta inspirado de novo. Penso em dar minha visão para o He-Man e os habitantes de Etérnia, mas não agora. Em compensação senti compulsão para voltar à minha série de Famous Monster. E o retorno se dá com mister Freddie de A Hora do Pesadelo. Meu foco nas artes pessoais, além da HQ Zé Gatão - Siroco, será em tipos como a Múmia, Criatura da Lagoa Negra, Elvira, A Raínha das Trevas e etc. Aguardem! 


Em 1983, depois de amargar uns anos infrutíferos no Rio de Janeiro, resolvi voltar para casa dos meus pais em Brasília. Resisti a isso enquanto pude na esperança de alguma coisa na minha vida desse certo e eu não retornasse como um completo fracassado. Joguei a toalha, um pouco mais e eu me perderia de vez, talvez até a própria vida (rumava para isto, não é exagero!).
A relação com a mãe da minha filha fora um desastre completo desde o início, e ali, no interior da chamada cidade maravilhosa eu me dei conta de que um ciclo em minha vida estava encerrado, insistir mais seria perpetuar a agonia.
Algumas pessoas podem pensar assim: se esse cara se diz cristão, como se queixa ele tanto? Onde está o Deus que ele diz confiar? Eu respondo, ser cristão é viver de certo modo como peregrino em terra estranha e isso faz sofrer, eu não era inclinado a verbalizar minhas queixas (salvo de forma subliminar em meus quadrinhos) até me sentir a vontade para comunicar neste blog. Muitos tampam o sol com a peneira, outros acham que Deus é uma espécie de garçom que, se você orar, Ele trás as bençãos em uma bandeja dourada. Nossa pátria não é deste mundo, esperamos pelo que Ele prometeu, até lá temos que combater o bom combate. Eu sempre fui um tanto rebelde e optei por não mascarar a realidade da minha vida. O que preciso para viver Jesus me dá em boa medida, afinal, consigo pagar minhas contas e sustentar família com meus desenhos, coisa que gente bem mais capacitada não consegue e, não nego, tenho mãe e irmãos que sempre me socorrem quando a água me chega no pescoço e isto é mais uma benção de Deus.
Eu estava assim no Rio de Janeiro, tinha tv, muitos livros, discos e um som, morando num lugar onde não era bem vindo, sem nenhum dinheiro para fazer minha mudança de um estado para outro, até numa certa manhã, indo a uma feira que tinha semanalmente no centro de Paty do Alferes, o Senhor me  deu a solução. Eu usava uma jaqueta do meu antigo colégio em Brasília, onde fiz o primeiro ano do segundo grau (que era como se chamava na época, hoje é conhecido como ensino médio) e um rapaz que trabalhava por ali, me chamou:
"Ei cara, você é de Brasília?"
"Vim de lá."
"Eu morei um tempo em Brasília."
Bem, entabulamos um papo rápido sobre a Capital Federal e fiquei sabendo que ele estava se separando da esposa e tencionava procurar trabalho no Planalto Central, voltaria dirigindo sua Kombi
e procurava alguém que pudesse acompanhá-lo na viagem. Mãos procurando umas luvas e eu me adequava perfeitamente. Não titubeei, perguntei se ele não transportaria minhas coisas no seu veículo, eu seria a companhia que ele procurava para a locomoção e ainda daria uma grana (minhas últimas reservas) para ele. Claro que ele topou. Marcamos tudo para a semana seguinte.

A separação entre eu e Luci foi sofrida, daria um livro, eu queria ter liberdade e coragem para dar os detalhes, mas não posso.

Não lembro o nome do rapaz da Kombi, infelizmente, recordo que em Paty ele era conhecido como Ruço (ou seria Russo?). Em São Paulo, alguém com pele e cabelos claros ganha a alcunha de "alemão", no interior do estado do Rio era "russo". 
Eu e o Ruço - vou escrever assim porque acho que ele se parece mais com Ruço do que com russo, não sei se vocês me entendem - ganhamos a estrada em uma noite bem fria no fim de julho, ou início de agosto, não lembro bem, do ano de 1983. Eu deixava para trás sonhos de juventude e meu coração aos pedaços. Eu realmente amei aquela mulher.

Pretendo continuar este relato semana  que vem, se Deus permitir.




 






     

6 comentários:

  1. Gostei da ilustração.
    Nunca fui fã do Freddy quando criança ou adolescente.
    Já usei um trecho do primeiro A Hora do Pesadelo num bloco daquele Visão Videocast sobre terror e similares. Os únicos que vi por inteiro foi A Morte de Freddy (o 6º filme) e o remake. Sem falar no Freddy Vs Jason.

    Graças aos céus que apareceu um sujeito pra te tirar de tamanho aperto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como eu disse, eu entendo esses acontecimentos como milagres de Deus na minha vida Anderson, todas as vezes que meus recursos se esgotam, surge miraculosamente uma solução.

      Sobre o Freddie Krueger eu gosto do conceito, acho um personagem, apesar de desprezível, interessante. Vi todos, embora nunca fosse um fã de carteirinha. Perdi o Freddy X Jason, infelizmente. É bom?

      Abraço e obrigado pelo comentário!

      Excluir
    2. O encontro deles tem ideias interessantes, mas é só mero passatempo e nada de mais. Eu vi na TV.
      Caso se interessou, posso procurar e te enviar como fiz com a hq e o filme do Whiteout.

      Excluir
    3. Ah, rapaz, muito obrigado, mas nem precisa se preocupar, uma hora passa na tv e eu vejo. Tem tanta coisa mais interessante na fila...valeu mesmo!

      Excluir
  2. Esse Freddy ficou muito legal, Schloesser. Parabéns! Sou fã dos monstros e mal posso esperar pela Elvira. Rapaz, que sorte, aparecer esse Russo/Ruço! Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já ensaiava um retorno aos monstros a muito tempo, Carla, mas nunca punha as mãos na massa, mas eu acredito que tenha um tempo certo para tudo e a hora chegou, estou mesmo a fim de trabalhar nos personagens que faltam. Aguardemos.

      Sobre o Ruço, falarei mais sobre ele numa postagem próxima, talvez já este fim de semana.

      Obrigado e forte abraço!

      Excluir