Total de visualizações de página

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

COMMISSION : ZÉ GATÃO.


Minha new commission não é sobre heróis das hqs gringas ou dos games como podem notar e fiquei muito feliz de executar, além dos motivos óbvios que me deixaram muito confortável, o cliente, uma pessoa ótima, fã ardoroso de Zé Gatão (não o conheço pessoalmente) deixou-me muito a vontade para fazer como melhor me conviesse, tema, técnica, formato e tals. De posse dessa liberdade viajei na ideia quando se trata de meu próprio personagem. Sabem, fico me perguntando se tenho algo dentro da cabeça para me divertir tanto com ilustrações assim, digo, devo ser muito adolescente (tô caminhando para os 51) para ficar desenhando animais cheios de testosterona saindo na porrada. Acho que sou maluco mesmo. Yeahhh!


É uma pena que neste país não se possa cobrar um valor legal por uma arte exclusiva destas que permita respirar aliviado por uns tempos (ainda não alcancei o mercado gringo e não tenho a menor ideia de como faze-lo), tenho que me adequar ao tamanho do bolso do cliente brasileiro. Mas tudo bem, uma arte de encomenda é algo legal porque ajuda a fugir um pouco dos trampos de editoras de livros. É diferente também de fazer retratos; queridos e queridas, como odeio este tipo de coisa! E já fui obrigado a fazer muitos pra defender um troco. Outro troço insuportável é pintar paisagens em paredões (Rio de Janeiro) ou figuras de mulheres peladas em cinema pornô (São Paulo). Hei, preciso fazer um post sobre estas experiências. Ok, qualquer dia, quando tiver saco eu faço.

Bem, estou um tanto vagabundo esses dias, então deixa eu ir trabalhar, a net já roubou uma boa parte da manhã.

Fiquem bem, e não deixem de me visitar aqui.
Beijão.

6 comentários:

  1. De fato, Eduardo queria te agradecer por nos prestigiar com suas criações, são realmente inspiradouras (pelo menos eu acho), se bem me lembro sou admirador do teu trabalho desde 2008, quando tomei conhecimento do mesmo. Gostaria de ver o Zé gatão mas popular ele é um tesouro escondido, e de certa forma, o felino sofre em nosso mundo, a mesma discriminação que sofre em seu mundo antropormófico.
    Você escreve extraordinariamente bem, muito envolvente e nem um pouco cançativa, no mais, boa sorte na sua epreitada, até mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bom demais ler palavras como as suas Adalberto, agradeço muito. São admiradores assim que fazem todo esforço valer a pena e isto só me obriga a melhorar meu desempenho.
      Pois, sim, o felino sofre mesmo com o descaso, mas noto que o público vem aumentando paulatinamente, pois como se diz: é caminhando devagar que se chega depressa.
      Muito obrigado pelo apoio e um forte abraço.

      Excluir
  2. Hei, esse desenho ficou muito bom, Schloesser, mas nem podia ser diferente, né? Já não me surpreendo mais com as cenas de luta. Sei que, se bobear, você consegue desenhá-las de olhos fechados. O que me surpreendeu, no Memento Mori, foi a lindeza da cena do carneirinho mamando e depois sendo posto pra dormir. Aquilo é inocência sem apelação, sem pieguice.
    Ontem à noite, teve uma enorme tempestade aqui, com árvores e fios de alta tensão caindo pelas ruas. O Leroy e eu saímos do lançamento de livro onde estávamos porque choveu dentro do salão e alagou tudo. Em casa não tinha luz e aproveitei pra terminar de ler seu livro à luz de uma lanterna. Depois fomos dormir. Resultado? Sonhei com uma sequência enorme de quadrinhos à la Schloesser, com gatos de cara zangada conspirando. Ao fundo, minha própria voz dizia: "É, mas não vai ficar por isso mesmo, não vai ficar por isso mesmo, não vai ficar por isso mesmo..."
    Agora vou esperar pelo próximo livro. Já disse que quero justiça, mas, pensando bem, vingança serve. Não pode ficar por isso mesmo. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brrr, que sonho, hein, Carla! Isto demonstra que a história te pegou de jeito, né? (Ou me enganei?).
      Enquanto a conclusão não chega, só posso te dizer que o Khroner e seus mercenários colherão o que estão plantando, mas talvez não do jeito que esperamos, quem sabe? (bom eu e o editor sabemos). Acredito que somos vítimas de nossas próprias ambições, muitas vezes aquilo que desejamos vem acompanhado de surpresas funestas. Creio que as predições da Pitonisa revelam muita coisa.

      Obrigado por seus comentários, você nem imagina como são importantes.

      Forte abraço pra você e o Leroy.

      Excluir
  3. A comission ficou bacana, Eduardo! Um trabalho para ser emoldurado e exposto orgulhosamente. Também acho o Zé Gatão um tesouro escondido. Os leitores brasileiros ainda não o descobriram. Sei que deve ser frustrante, mas o negócio é manter a esperança.
    Andei meio ausente, minha net voltou hoje, após dias sem acesso.
    Ótima semana,
    Grande abraço,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo Gilberto, agora você tocou meu coração, brother. Palavras muito incentivadoras, mesmo.
      Vamos ter paciência que uma hora se chega lá.
      Abração e obrigado.

      Excluir