Total de visualizações de página

segunda-feira, 19 de julho de 2010

DOM CASMURRO (CAPA)

"Olhos grandes ( de ressaca ), nariz comprido, boca fina, queixo quadrado, fartos cabelos, alta, cheia de corpo...."  É mais ou menos com essas palavras que Machado de Assis descreve Capitu, a personagem feminina mais popular da literatura brasileira, ao lado de Ana Terra, segundo especialistas. Concluo que mesmo com uma descrição detalhada, não é fácil dar um rosto pra uma personagem deste tipo. Sim, existem tipos. Uns são mais fáceis, outros, por mais que se tente, nunca ficamos satisfeitos com o resultado. É o caso de Capitu. Não a vejo como uma mulher bonita, mas não é um rosto que se esqueça facilmente. Não lembro de ter visto outras versões em desenho, o que se mostrou na televisão não vale. Na TV eles conseguem fazer a Marquesa Domitila de Castro parecer uma miss. Inclusive, o rosto no esboço como podem notar, ficou ligeiramente diferente da expressão na pintura. Como não há descrição de Bentinho no livro eu o fiz baseado na fisionomia do Machado. E Escobar tá lá, entre eles. 
Pela primeira vez eu começo um trabalho deste tipo pela capa; foi uma exigência da editora e eles tem lá seus motivos. Eu me sinto mais a vontade fazendo a capa por último, fico mais desembaraçado depois de ter realizado uma série de desenhos com os vultos da obra.


Para compor uma parte da peça, achei adequado fazer uma leitura de "A Condessa de Haussonville",  uma das obras de Jean-Alguste Dominique Ingres, um dos papas do período neoclássico. Não há palavras para descrever o trabalho deste mestre. Não conheço na pintura universal alguém que consiga obter através das tintas, efeitos de texturas de tecido como Ingres. E eu ainda tenho a cara de pau de colocar minha pobre arte ao lado da dele! Devo ser masoquista. Mas foi apenas uma homenagem. Aliás, o braçao direito da condessa tá meio estranho, cês não acham? Bem, eu achei, por isto na minha Capitu eu fiz como acho que deveria ser. Sou mesmo muito topetudo.  


6 comentários:

  1. Rapaz, parabéns! Você conseguiu dar um efeito nesse vestido que poucos artistas fazem igual.
    Muito bom.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Eduardo, achei muito boa sua ilustração para a capa de "Dom Casmurro". Gostaria de saber se você me permitiria reproduzi-la em meu blog, com os devidos créditos, é claro. A intenção é ilustrar uma chamada para um artigo que escrevi sobre literatura. Aguardo sua resposta. Meu e-mail é carlaceres@uol.com.br. Parabéns pelo trabalho!

    ResponderExcluir
  3. Obrigado Carla.
    Sim, pode reproduzir a ilustração no seu blog.
    Agradeço a divulgação.
    Abraços e sucesso.

    ResponderExcluir
  4. Olá Eduardo, espero que tudo permaneça bem contigo!

    Concordo com o que diz sobre a TV. Como muitos livros de história, todos os protagonistas têm aparências de príncipes ou princesas, e nem as bruxas tem verrugas!

    Acredito que o efeito no tecido do vestido e, bem eu gostei de toda a obra que você fez, pura arte, e creio que justifica o topete, é como você mesmo disse, está muito estranho o braço da condessa!
    Parabéns pela sua arte!

    Desculpe minha espaçosa invasão, mas a Carla deixou teu endereço e um pedido para que viesse conhecer teu trabalho, e ela sempre sabe o que diz e recomenda. Sendo assim por cá estou e não me arrependo. Tem cá um belo espaço de muitas obras de arte, parabéns e obrigado por compartilhar, e sendo assim desejo que tenha em teu viver a felicidade intensa, abraços e até mais!

    ResponderExcluir
  5. Sotnas, grato pelas amabilíssimas palavras.
    Soa clichê, mas não dá pra evitar, são retornos assim que me impulsionam a continuar na estrada.
    Abraços.

    ResponderExcluir