Total de visualizações de página

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

RINHA



Sempre fui fã de esportes de combate.
Na adolescência, fanático que era por Bruce Lee,  Jackie Chan e a série de TV, Kung Fu, procurei desesperadamente uma academia para treinar, mas tinha que ser de Kung Fu, de preferência no estilo norte, onde a ênfase era nos golpes com as pernas (pelo menos era esta a informação que eu tinha).
Quebrei minha cara, em Brasília, em 1975, não havia luta chinesa, só japonesa, KARATÊ, pra ser bem específico. Com muita dificuldade consegui me matricular na Academia Uruma Kan (acho que é assim que se escreve, na verdade não me lembro mais), com o mestre Takeo Hiane (nono dan e tal), ficava na 506 Norte. Pra ser sincero tivemos poucas lições com o sensei Hiane, quase todas as aulas eram dadas por um aluno faixa preta dele chamado Jackson, um cara com uma postura agressiva, ao contrário de seu mestre, que lembrava o sr. Myagi.
Pessoal, eu tenho histórias pitorescas deste período mas fica pra outra postagem, o tema hoje não é esse.
Não fiquei muito tempo por lá, fui somente até a faixa amarela, as mensalidades não eram baratas, e minha família naquele período estava sempre no "vermelho".

Tempos depois ingressei numa academia de Taekwondo, na 503 Sul, mas lá eu aprendi o manuseio do Nunchaku mais do que chutar alto. Tive que sair logo pelo mesmo motivo.
Boa parte deste tempo eu treinava sozinho ou com uns conhecidos da Ceilândia que praticavam Kung Fu.

Depois conheci um chines autêntico vindo de Hong Kong chamado Cheng, aprendi muitas coisas com ele, mas eram regras demais; nossa amizade acabou de forma desastrosa. Foi aí que me dei conta do abismo que pode haver entre pessoas de culturas e costumes diferentes.

Pratiquei um pouco de boxe no Rio de Janeiro, mas querem saber? A verdade é que eu sempre fui um tremendo bunda-mole, apanha-se muito nestes treinos até atingir um nível razoável de destreza, e levar porrada não era exatamente minha meta; já tinha sido surrado demais pela minha avó materna e pelo meu pai pelos motivos mais fúteis; pagar para ficar com as costelas roxas (karatê) ou a cabeça zonza (boxe) era insano.
No período dos treinos de pugilismo onde eu nunca cheguei a pesar mais que 63 quilos, vi a necessidade de aumentar a massa muscular, aí comecei com o fisiculturismo e foi onde me encontrei. Mas como eu nunca estava satisfeito com meu "shape", quase nunca saía sem camisa na rua, mas aí já é outra história. Como podem intuir, sou um cara com sérios problemas de auto-aceitação.

Na verdade o tema era pra ter sido outro e me enveredei de novo por uma auto biografia.

Eu ia dizer que sou fã de lutas e de filmes de lutas. Acompanho os campeões de boxe desde os anos 70, vi o declínio deste esporte depois da era Tyson e o crescimento do chamado Vale Tudo (hoje, MMA) que o substituiu. Nesta modalidade meu lutador preferido é Anderson Silva. E isto nos trás finalmente ao desenho de hoje.
Quando meu brother Nestablo Ramos Neto me mandou umas cenas do seu novo álbum (Zoo 2) e me pediu uma Pinup para o mesmo, não tive dúvidas, tinha que ser algo que tivesse a ver com os confrontos nos octógonos, usando os personagens criados por ele. Não usei modelos e saiu isto que vocês veem acima. Abaixo, as etapas do processo.

Bom sábado e domingo a todos vocês, a gente se vê de novo na segunda se o Salvador permitir.
AU REVOIR.




8 comentários:

  1. Fala, Eduardo! Rapaz, como são bons esses estudos. Aprende-se muito só de observar. Bacana como usa o lápis de cor.
    Ótimo final de semana,
    Abração,

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito de ver o seu processo de desenho e mais ainda de saber um pouco mais sobre o seu processo de crescimento como pessoa.

    Um grande abraço e parabéns pela excelente fase.

    ResponderExcluir
  3. Merci beaucoup, mon ami.
    Nice Weekend for you too.
    Abração.

    ResponderExcluir
  4. Obrigado, Léo.
    As vezes preciso me convencer que houve mesmo crescimento em algum ponto da minha vida.
    Valeu pelas palavras e pelo prestígio.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  5. Eduardo,caro amigo de muitos anos atrás como faço para me comunicar com você de forma mais profunda??? te deixei mensagem no seu facebook,mas acho q vc não viu...por favor responda-me gostaria muito de ter mais noticias de vc e de td sua familia,afinal são mais 10 anos sem nos falarmos...por favor querido responda-me! Aguardarei anciosamente,meu email é zaninha30@yahoo.com.br...ah à proposito Parabéns continua desenhando muiiiitiissiomooo bem como sempre desenhou!!! Abraços Amigo, Saudades Rosângela

    ResponderExcluir
  6. Olá, Rosangela, que bom que deu notícias.
    Entro em contato brevemente por e-mail, ok?
    Abraços em você e em toda a sua saudosa família.

    ResponderExcluir
  7. Cara, seu traço é muito bom!
    Parabéns!

    Abraços e muita paz interior.

    =D

    ResponderExcluir